Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

PMI de Serviços fica em 34,5 e é o menor resultado em 13 anos, diz IHS Markit

Data de criação:

access_time 03/04/2020 - 13:22

Data de atualização:

access_time 03/04/2020 - 13:22
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os dados de março da pesquisa IHS/Markit, divulgados nesta sexta-feira, revelam que a queda mais acentuada na atividade de negócios no setor brasileiro de serviços como um todo desde o início da pesquisa, há 13 anos, foi quase exclusivamente atribuída ao fechamento de empresas e à retração da demanda por parte dos clientes em resposta à pandemia do coronavírus (COVID-19).

O número básico, Índice de Atividade de Negócios do setor de serviços, sazonalmente ajustado, caiu quase 16 pontos em março. Ao divulgar 34,5, abaixo do valor de 50,4 em fevereiro, a leitura mais recente indicou uma queda rápida no volume de produção do setor de serviços.

“Pedidos cancelados e paralisações de empresas em resposta à emergência de saúde pública resultaram no declínio mais rápido na quantidade de novos trabalhos desde o início da pesquisa em março de 2007. As vendas para exportação também caíram a um ritmo rápido no período mais recente da pesquisa, com o ritmo de contração excedendo o registrado para o volume total de novos negócios. Isto foi atribuído de forma preponderante às medidas globais de emergência de saúde pública e ao fechamento de fronteiras internacionais em resposta à pandemia da COVID-19.”, explicam os analistas.

Ao atingir 37,6 em março, abaixo do valor de 50,9 registrado em fevereiro, o Índice Consolidado de dados de Produção indicou o seu nível mais baixo desde o início das séries em março de 2007. De um modo geral, o fator principal influenciando o declínio da atividade de negócios foi um recorde de baixa para a pesquisa no volume de produção do setor de serviços (com o índice em 34,5). A produção industrial também diminuiu em março, mas a um ritmo relativamente modesto (com o índice em 47,7).

Os Índices Consolidados são médias ponderadas dos índices comparáveis para o setor industrial e para o de serviços. Os pesos refletem os tamanhos relativos dos setores industrial e de serviços de acordo com os dados oficiais do PIB. O Índice Consolidado de dados de Produção – Brasil é uma média ponderada do Índice de Produção do setor Industrial e do Índice de Atividade de Negócios do setor de Serviços.

Os dados de março mostram que o fechamento de empresas, o cancelamento de pedidos e a diminuição da demanda por parte dos clientes em meio à emergência de saúde pública da COVID-19 resultaram numa rápida queda no volume de produção do setor de serviços.

“A redução na atividade do setor de serviços foi a mais rápida desde o início da pesquisa há treze anos, com a taxa de declínio sendo muito maior do que a relatada pelas empresas do setor industrial em março. Uma queda acentuada na demanda por parte dos clientes e receios de um período prolongado das condições econômicas frágeis fez com que os provedores de serviços reduzissem o número de funcionários da maneira mais significativa desde outubro de 2016”, considerou o diretor de economia da IHS/ Markit, Tim Moore.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?