Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ARTIGO: Time de gestão e o modelo de negócio na análise de crédito por bancos e fundos

Data de criação:

access_time 21/12/2020 - 16:16

Data de atualização:

access_time 21/12/2020 - 16:16
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os grandes bancos que estão atuando como canais de produtos como Pronampe e FGI estão liberando em média R$ 60.000,00 e R$1 milhão por empresa, respectivamente. Eles usam tal ferramenta muito mais como aquisição de novos clientes do que para atender às demandas de giro e recuperação da recessão de vendas do último quadrimestre, no qual grande parte das empresas passou por testes de estresse significativos.

Um ponto que chama sempre a atenção é o quanto o time de crédito desses bancos gasta entendendo o modelo de negócios, a capacidade de gestão do time executivo e, de uma forma mais holística, a estratégia das empresas. Este tempo não passa de 5% do total gasto na preparação de documentos, entrevistas e adequação da empresa aos comitês de crédito. Consequentemente, isso gera uma sobrepeso à análise de balanço e de colaterais .

No fim das contas, os bancos já estão estocados de imóveis e cheios de alienação fiduciária de equipamentos operacionais que não tem o valor econômico desejado fora do contexto onde ele estava inserido.

Ademais, é curioso o depósito de boa fé nos balanços das empresas pois existe uma diferença entre realidade de negócios e da contabilidade, em maior ou menor grau, dependendo do nível de governança e tamanho das empresas. A tarefa de análise clássica dos balanços deve e sempre será alvo de escrutínio necessário. A provocação que fazemos aqui se refere a limitação do escopo, sua eficácia e peso desta abordagem. A falta de reconciliação matemática entre o negócio das empresas e sua contabilidade tem diversas causas, variando entre interesses  de agenda, caráter do management, senioridade da controladoria das empresas e a disponibilidade de orçamento para sistemas e controles internos.

O desafio dos ofertantes de crédito é ter a paciência e capacidade de entender melhor o contexto da empresa e do seu negócio , avaliar a qualidade  e os desafios do management na execução do seu plano de negócios. Alguns poucos bancos possuem times de crédito e analistas combinando estas abordagens e pensando um pouco mais fora da caixa.

Temos um desafio grande para a alocação de crédito por bancos e fundos no médio prazo se o protocolo de análise não mudar. Um percentual não desprezível do PIB brasileiro é composto por empresas de serviços, tecnologia e outros, com balanços sem colateral e com boas margens em seus negócios.

É vital a inserção crescente destas empresas no rol de opções e ofertas de crédito. São grandes geradoras de empregos e motores de crescimento da economia brasileira. O modus operandi forçosamente precisará avançar. A liquidez de capital atual não será atendida pelas formas tradicionais de análise vigentes.

*Marco França é engenheiro pela PUC, tem MBA em Finanças -COPPEAD

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?