Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Fundo quantitativo: como funciona e quais as suas vantagens

Data de criação:

access_time 24/06/2020 - 12:16

Data de atualização:

access_time 26/11/2020 - 11:15
format_align_left 9 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Vivenciar momentos de crise é algo inevitável. Por mais que não se saiba quando irá acontecer ou quais proporções essa crise pode tomar, é importante estar preparado para que, se ela vier a acontecer, não seja tão impactante em sua vida.

Então, para evitar que esse cenário se torne um motivo de ansiedade, prepare-se da maneira correta. Uma das armas que você deve utilizar, é ao se preparar financeiramente.

O mercado financeiro em sua grande variedade, também conta com produtos que se saem bem, mesmo em momentos de estresse para a maioria dos investimentos.

O fundo quantitativo é um ativo financeiro que tem comportamento muito peculiar, especialmente em momentos de crise. Pensando na variedade de informações sobre o assunto, nós resolvemos escrever este artigo.

Nosso objetivo é desmistificar esse produto, demonstrando se ele vale a pena ou não, suas principais vantagens, desvantagens e estratégias. Acompanhe!

 

O que é fundo quantitativo e como ele funciona?

O fundo quantitativo é uma modalidade de investimento em que a análise para a tomada de decisão é feita por meio de cálculos matemáticos e algoritmos executados por sistemas extremamente avançados, que utilizam a inteligência artificial para buscar estratégias ideais que gerem bons retornos para os cotistas.

Assim, mesmo que a tese e o parâmetro de investimento sejam inseridos por meio dos gestores, a proposta é que esses fundos executem as operações sem a interferência humana, utilizando toda a tecnologia da atualidade.

Vale a pena mencionar que, por mais avançadas que sejam essas tecnologias, elas apenas replicam processos que foram previamente programados. Logo, essa programação deve ser feita com base nos estudos e na experiência do gestor do fundo.

Então, esse tipo de fundo de investimento atua por meio de estratégias quantitativas predefinidas, que estudam os históricos e padrões do mercado. Identificadas assimetrias e distorções nos preços dos ativos, o fundo entra em ação, geralmente por meio de operações de arbitragem, ou seja, buscam lucro com a diferença nos preços de determinado ativo, em mercados distintos.

Dessa forma, os algoritmos utilizam essas informações para executar operações com o capital do fundo. Esses fundos não têm uma categoria própria, mas geralmente entram na classificação de fundos multimercados, devido à variedade de ativos que movimentam em suas carteiras.

 

vantagens e desvantagens

Agora, discorreremos sobre as principais vantagens e desvantagens desse tipo de aplicação. Continue lendo!

 

Vantagens

A principal vantagem do fundo quantitativo está no fato de que ele pode contar com algoritmos que têm capacidade analítica muito mais volumosa. Isso quer dizer que os algoritmos podem analisar mais dados, mais rapidamente, do que um humano conseguiria.

Dessa forma, adquirem mais embasamento para a tomada de decisão – obviamente, que vão de acordo com suas programações –, o que eleva as chances de acertos.

Obviamente, os seres humanos têm uma capacidade de processamento mais inteligente, avaliando diversos fatores que possam interferir nos preços de um ativo. Entretanto, nenhuma pessoa é capaz de processar um volume de dados tão grande em poucos segundos.

Além disso, esses robôs tomam a sua decisão com base em históricos de preços e dados contidos no mercado, e não são contaminados com informações tendenciosas e, por vezes, até falsas.

Também existe a questão da descorrelação com outros fundos de investimentos. Isso significa que os robôs tomam decisões de forma totalmente diferente dos fundos de investimento tradicionais. E essa é uma das formas mais eficientes de investir, justamente, ao escolher produtos que não têm relação entre si.

Dessa forma, enquanto a carteira de alguns fundos podem apresentar uma performance ruim, ou seja, cair, a carteira dos fundos quantitativos pode subir em uma direção totalmente oposta, – e vice-versa. Isso acontece graças a essa descorrelação. Quanto menor ela for, mais equilibrada será a relação entre risco e retorno.

Outro ponto interessante é que o fundo quantitativo elimina um grande problema existente no mercado financeiro: as questões emocionais do investidor. Seja ele um gestor experiente e acostumado a trabalhar volatilidade ou uma pessoa que está iniciando nessa atividade, a questão emocional sempre tem um peso considerável.

Os algoritmos são parametrizados para seguir regras, independentemente de ruídos ou questões que envolvem a mente do gestor. Eles simplesmente entram e saem de posições de acordo com a sua programação e as análises obtidas. durante as operações no mercado financeiro é algo que pode ser bastante desafiador, e isso também acontece com os gestores dos fundos.

Afinal, eles geralmente estão lidando com um patrimônio extremamente alto. Logo, fatores emocionais e psicológicos podem afetar as suas operações — o que não acontece com os robôs do fundo quantitativo.

Desvantagens

Também existem algumas desvantagens de aplicar em fundos quantitativos.

Esse fundo trata de estratégias muito embasadas em parâmetros. Nesse contexto, os gestores ficam mais “engessados” à tomada de decisões que envolvem pontos que foram levantados com base na análise de dados históricos. Em outras palavras, eles não têm tanta liberdade para decidir sobre uma entrada ou saída que se diferencie desses parâmetros.

Logo, eventos atípicos, como por exemplo, a guerra comercial entre China e EUA, dificilmente seriam fatores com que influenciaram mudanças – possivelmente até necessárias – na tomada de decisões de operações relacionadas à carteira do fundo.

 

Quais são os riscos dessas aplicações?

Por tratar-se de fundos que, no geral, são classificados como multimercados, como você já sabe, têm carteira composta por diversos tipos de ativos. Assim, é possível encontrar fundos com grau de risco conservador, moderado e arrojado.

De qualquer forma, os fundos quantitativos são realmente mais indicados para que o investidor tenha mais diversificação em seus investimentos e possa contar com um produto que costuma ter uma boa performance, justamente em cenários em que o mercado está mais estressado.

Entretanto, como qualquer outro investimento, esses fundos também estão sujeitos aos riscos de mercado, crédito e liquidez.

 

Quais são as principais estratégias de aplicação?

Como você já sabe, o fundo quantitativo utiliza a inteligência artificial para a definição de suas estratégias, entretanto, elas são parametrizadas pela gestão do fundo, o que permite a análise de todos os dados e histórico por parte dos robôs.

Essas estratégias são comprovadas por meio de “backtesting”, ou seja, verificações de efetividade quanto a determinado modelo que foi proposto. Além disso, o fundo também pode utilizar a estratégia de seguir padrões com base no preço médio dos ativos que foram negociados nos últimos pregões.

 

Como escolher um fundo quantitativo?

Agora que você já entendeu o que é um fundo quantitativo, suas vantagens e desvantagens, mostraremos quais são os critérios que deve adotar antes de selecionar um para investir.

Sem dúvidas, o primeiro e mais importante fator que deve ser analisado é o seu perfil de investidor. Esse produto financeiro é mais voltado para aquelas pessoas que tem um perfil moderado ou arrojado, uma vez que, investidores com esses perfis, tendem a optar por produtos mais arrojados, o que requer atenção redobrada quanto à diversificação com produtos que tragam maior proteção em momentos de estresse do mercado financeiro.

O próximo fator a ser avaliado é o prazo de resgate, ou seja, a liquidez do investimento.

Esse conceito se refere à quantidade de tempo que demora para que o valor, quando resgatado, possa ser creditado e disponibilizado na conta do investidor. Portanto, essa análise deve estar diretamente relacionada aos seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Depois de fazer essa análise, também é interessante verificar as taxas cobradas pelo fundo. Geralmente, são duas: a de administração e performance. Você também deve avaliar o histórico do fundo, bem como o desempenho dele em períodos de crise. Mas, de todo modo, vale ressaltar que a performance passada não garante que o mesmo ocorra com resultados futuros. E isso é válido para qualquer tipo de fundo de investimento.

Além do histórico de rentabilidade, leia também o regulamento do fundo, antes de fazer qualquer aplicação. Não se esqueça de verificar os valores mínimos de aplicação (que se refere à primeira) e de movimentação (que se refere aos valores mínimos para demais aplicações e eventuais resgates).

 

Como investir em um fundo quantitativo?

Depois de escolher o fundo quantitativo ideal para o seu perfil, objetivos e capital disponível, é necessário selecionar uma instituição de confiança, que disponibilize uma plataforma de investimentos estável e totalmente preparada a oferecer tal produto, como o modalmais.

Portanto, abra a sua conta no modalmais agora mesmo, e conheça todas as nossas opções de investimentos de renda fixa, renda variável e fundos de investimento.

 

Nova call to action

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?