Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Regras para gestão de liquidez dos fundos: audiência pública é prorrogada para dia 9 de abril

Data de criação:

access_time 26/03/2021 - 12:41

Data de atualização:

access_time 26/03/2021 - 12:41
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A ANBIMA, Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais, adiou a audiência pública sobre as novas regras para gestão de liquidez dos fundos de investimento.

O mercado poderá enviar sugestões até o dia 9 de abril – a data anterior era 31 de março. A mudança atende demanda dos associados e busca mitigar os impactos da antecipação dos feriados na cidade de São Paulo e do Rio de Janeiro para as instituições.

As considerações para a audiência podem ser enviadas pelo e-mail audiência.publica@anbima.com.br.

Conheça as principais mudanças

As mudanças incluem novas atribuições para os prestadores de serviços para melhor clareza das regras da autorregulação.

Uma das novidades é a melhor definição das responsabilidades do gestor e do administrador nas etapas do gerenciamento de liquidez dos fundos. Enquanto o primeiro responde pela análise do risco de gestão, cabe ao administrador verificar os controles do gestor para garantir que tudo foi feito da melhor maneira.

O gestor também passa a ter mais flexibilidade na hora de definir a política de gestão de liquidez do fundo. Ele deverá informar à ANBIMA, por meio de sua política, os parâmetros mínimos utilizados, como índices, metodologia e critérios de avaliação preventiva.

Métricas do passivo

As regras, que antes eram sucintas, passaram a incluir novos itens. Um deles determina o que os gestores deverão considerar na análise do passivo dos fundos: valor dos resgates esperados em condições normais de mercado; o grau de concentração das cotas por investidor; os prazos para liquidação dos resgates; e o grau de concentração de alocadores, distribuidores e/ou outros gestores de recursos no fundo.

Outra novidade é a criação de uma referência para o mercado, chamada de “matriz de probabilidade de resgates” – engloba fundos de renda fixa, multimercados, ações, previdência e cambiais. Ela será divulgada e atualizada mensalmente pela ANBIMA e poderá ser utilizada pelos gestores como referência para tratamento do passivo dos fundos.

Métricas do ativo

As regras foram aprimoradas para reforçar a importância de considerar, na metodologia do gestor, a dinâmica de mercado – isso significa que deverão ser levadas em consideração as características dos ativos, as estratégias utilizadas e seu comportamento no mercado.

Entre os critérios que podem ser escolhidos pelos gestores para avaliação do ativo, estão: o fluxo de caixa de cada ativo (valores a serem recebidos, amortizações etc.) e a estimativa do volume negociado no mercado secundário. Podem ser utilizados outros critérios definidos pelo gestor, desde que haja base para utilização, sejam justificados na política e passíveis de verificação.

Também deverão ser incluídos na política os impactos atenuantes e agravantes que possam influenciar na liquidez dos fundos.

(Com informações da ANBIMA)

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?