Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

ADR: como funciona a American Depositary Receipt e como investir?

Data de criação:

access_time 03/02/2021 - 10:54

Data de atualização:

access_time 17/02/2021 - 15:30
format_align_left 10 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Você já deve ter se deparado com o termo American Depositary Receipt (ADR) em algum momento da sua jornada no universo dos investimentos. Afinal, ele é amplamente mencionado em canais de comunicação relacionados a ações e aplicações financeiras.

Entretanto, por se tratar de um ativo negociado nas Bolsa de Valores dos Estados Unidos, é comum que muitos  brasileiros realmente não tenham tanta familiaridade com ele, e ainda mais natural que existam dúvidas sobre o seu conceito e funcionamento. Pensando nisso, resolvemos escrever este artigo.

Nele, você descobrirá tudo o que precisa saber sobre os American Depositary Receipts. Acompanhe!

 

O que é American Depositary Receipt e como funciona?

Os ativos que recebem o nome de American Depositary Receipt — que traduzido para o português significa Recibos Depositários Americanos — são títulos emitidos nos Estados Unidos para negociação em seu mercado local. Isso permite que empresas estrangeiras participem de negociações nas Bolsas de Valores americanas.

Assim, investidores americanos e residentes dos Estados Unidos conseguem comprar e vender esse título que é lastreado em ativos emitidos por empresas listadas em Bolsas de Valores de outros países,  dentro do seu próprio país, sem ter que fazer remessas para o exterior.

Em outras palavras, é uma via de mão dupla que pode beneficiar tanto os investidores do país quanto as próprias instituições envolvidas com o lançamento desses ativos no mercado, como veremos ainda neste artigo.

Para que essas ações possam ser negociadas no país, é preciso que elas sejam emitidas em formato de títulos que são chamados de ADRs. Funciona basicamente da seguinte forma: uma instituição depositária, situada nos Estados Unidos, compra as ações da companhia de interesse, mantendo as “bloqueadas” em uma instituição considerada custodiante, que deve estar situada no país de origem da companhia emissora dos valores mobiliários depositados.

 

Quais são os principais tipos de ADR?

Entendido o conceito de ADR e o seu funcionamento, passaremos a explicar os tipos e níveis existentes. Continue lendo!

 

ADR Nível I

são considerados os mais básicos desse mercado. Nesse caso, a empresa estrangeira não precisa ceder para os acionistas tantas informações a respeito de suas finanças, visto que tais exigências por parte da SEC (Securities and Exchange Commission, que corresponde à Comissão de Valores Mobiliários no Brasil) são mínimas para esse tipo, aumentando gradualmente de acordo com os níveis.

 

Além disso, esses ativos são negociados no mercado de Balcão, ou seja, não é possível comprar e vender livremente no mercado de Bolsa de Valores. Também vale a pena ressaltar que a empresa responsável pelo ADR não precisa lançar novas ações no mercado, nesse caso em especial.

 

ADR Nível II

No caso dos ADRs de Nível II, também não há necessidade de lançamento de um IPO para que se iniciem as negociações do ativo. Por outro lado, as exigências por parte da SEC, no sentido de obrigar a empresa estrangeira a fornecer informações financeiras à instituição depositária, são maiores.

Apesar desse grau de exigência, o ADR Nível II, que é negociado no ambiente de Bolsa de Valores, é superior ao tipo anterior em volume de negociações.

 

ADR Nível III

Diferentemente dos dois tipos anteriores, os ADRs de Nível III são negociados a partir da emissão de novas ações por meio de um IPO. Esse tipo é negociado em ambiente de Bolsa de Valores e as exigências por parte da SEC são as mais rigorosas em relação aos dois tipos anteriores.

 

ADR patrocinado

Além dos níveis existentes, os ADRs também possuem dois tipos de classificação que diferenciam o tipo de patrocínio para sua emissão. O primeiro deles é o ADR Patrocinado, que é emitido com a colaboração direta da empresa estrangeira. Assim, ela celebra um contrato diretamente com a instituição depositária nos EUA — que faz os planos de manutenção, registro e distribuição de comunicação aos acionistas.

Ou seja, a principal interessada em ter participação no mercado americano é a própria empresa emissora dos valores mobiliários. Os ADRs patrocinados são considerados mais seguros no sentido de que estão em total conformidade com as regras da SEC, além do fato de que possuem maior liquidez, quando comparados com os do tipo seguinte.

 

ADR não-patrocinado

Os ADRs não-patrocinados, diferentemente do anterior, são emitidos sem a cooperação da empresa estrangeira. Eles podem ser iniciados por qualquer instituição depositária – inclusive mais de uma – que deseja estabelecer algum tipo de mercado de negociação referenciado nos ativos daquela empresa nos EUA.

Vale lembrar que a negociação desse tipo de ADR ocorre apenas no mercado de Balcão e não pode ser listado em Bolsa de Valores, como é o caso do tipo que mencionamos anteriormente.

 

ADR Brasileira

O investidor americano pode investir nas principais empresas brasileiras por meio dos títulos ADRs emitidos por instituições americanas e disponibilizados na Bolsa dos EUA.

 

Quais são as vantagens de investir em ADR?

Investir em ADR pode ser algo bastante interessante para um investidor e, até mesmo, para uma empresa estrangeira e o banco responsável pela custódia de suas ações. Pensando nisso, neste tópico, elencaremos os principais benefícios que o American Depositary Receipt pode proporcionar. Continue lendo!

 

Investimento em empresas estrangeiras

Uma das vantagens que o ADR proporciona para o investidor é a possibilidade de aplicar o seu dinheiro em empresas estrangeiras. Apesar de o Brasil ter um mercado financeiro muito interessante, é inevitável destacar o fato de que a maioria das empresas mais valorizadas do mundo estão nos EUA.

No entanto, até mesmo os investidores americanos buscam expandir seus leques de opções ao diversificarem suas carteiras, investindo em títulos referenciados em valores mobiliários de empresas de outros países.

 

Menor custo

Outro ponto que merece destaque é a questão dos custos. Abrir uma conta no exterior e enviar dinheiro para ela pode gerar um gasto com taxas de câmbio. Ao investir em ADRs isso é evitado, tendo em vista que o investidor passa a ter acesso aos resultados das ações de determinada empresa, investindo em títulos negociados e cotados em dólar.

 

Oportunidade de diversificação

Por fim, investir em ADR possibilita ao investidor a diversificação de seus investimentos. Essa é a premissa básica do sucesso no mercado financeiro. Ao aplicar em ativos diversos, você tem a oportunidade de experimentar outros tipos de rentabilidade.

Além disso, os riscos que recaem sobre o seu capital — existentes em todos os tipos de ativos, cada um com um diferente grau — serão fracionados. Assim, caso algum ativo existente em sua carteira se desvalorize por algum motivo, o seu capital total não sofrerá tanto impacto, tendo em vista que parte dos seus recursos estarão investidos em outros títulos.

Por fim, se você tiver uma carteira de ações diversificada, eventuais rentabilidades de outros ativos podem ser capazes de suprir perdas de outras aplicações. Essa prática, inclusive, tem um nome: é a chamada Hedge, que, basicamente, significa proteção do patrimônio.

 

Como investir em ADR?

O investimento em ADR só pode ser realizado por quem atua no mercado de renda variável americano e se interessa por ações de outros países. Confira alguns deles!

 

BDRs

que funcionam de forma semelhante aos ADRs. A diferença é que esses ativos são negociados tanto no mercado de Balcão quanto no de Bolsa de Valores brasileiro, e representam e são lastreadas em valores mobiliários emitidos no exterior, por empresas estrangeiras, ou mesmo brasileiras, que tenham capital aberto em outro país.

BDRs de grandes empresas como Apple, Facebook, Google, entre outras, são representadas por BDRs no mercado acionário brasileiro.

 

S&P 500

O S&P 500 é um índice composto pelas 500 empresas de maior valor dos Estados Unidos. Basicamente, ele é muito semelhante ao Ibovespa, que é o principal índice do mercado de ações brasileiro .

Por meio do microcontrato de S&P 500 o investidor do mercado de renda variável brasileiro pode negociar no dia, a expectativa do preço no futuro para a carteira de ações representadas por seu índice, o S&P 500, negociando assim as altas e baixas de preços dos ativos.

 

Dólar norte-americano

Outra forma de obter resultados referenciados no mercado norte-americano é ao operar contratos ou minicontratos futuros da moeda americana, ou seja, o Dólar. Essa é uma das moedas mais sólidas do mundo e, portanto, muito buscado por quem deseja proteger o seu capital de eventuais mudanças bruscas do mercado.

Assim, para ter acesso a esses ativos, você deve abrir uma conta em uma corretora ou banco de investimentos nacional. Feito isso, basta enviar recursos para ela, escolher o ativo e fazer a sua primeira aplicação.

Depois disso, é fundamental que você acompanhe o mercado nacional e o internacional, especialmente o segmento ou as notícias que podem impactar as empresas vinculadas ao setor em que você investiu.

Além de acompanhar de perto todas as nuances do mercado, é essencial que você conte com a ajuda de profissionais especialistas para fazer as suas aplicações com mais segurança, o que consequentemente possibilita maiores chances de obter boas rentabilidades.

Essas pessoas já têm uma grande experiência no mercado e o auxiliarão na hora de escolher os seus ativos e os principais pontos de entrada, evitando que você cometa erros que o levem a desistir desse mercado tão lucrativo.

Por fim, podemos concluir que o American Depositary Receipt é uma classe de ativo muito interessante e que é possível investir em ativos semelhantes aqui mesmo no mercado financeiro brasileiro e assim, diversificar a sua carteira e obter rentabilidades diferenciadas, bem como o fracionamento dos seus riscos.

Se você gostou deste artigo e quer continuar recebendo dicas sobre investimentos, assine a nossa newsletter. Dessa forma, você será informado sempre que publicarmos um novo conteúdo.

Ainda não é Cliente? Abra a sua conta no Modal Banco Digital do Investidor 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?