Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Bolsa de Valores: Guia completo para os investidores

Data de criação:

access_time 02/05/2020 - 12:30

Data de atualização:

access_time 12/04/2021 - 19:03
format_align_left 12 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A Bolsa de Valores é o ambiente em que investidores compram e vendem ativos mobiliários, como ações, commodities e fundos imobiliários.

Boa parte dessas negociações são on-line. Por conta dessa facilidade, você pode ser sócio(a) da Magazine Luiza, por exemplo, sem sequer sair de casa.

Porém, há muitos mitos sobre o mercado financeiro, principalmente relacionados aos riscos e à ideia de que é preciso de muito dinheiro para começar a investir.

Na verdade, a Bolsa de Valores pode ser acessível para o pequeno investidor, com menos de R$ 100,00, já é possível adquirir ativos.

Com a queda nos juros, a poupança se mostra, cada vez mais, uma opção não rentável para fazer o seu dinheiro render.

Preparamos um guia completo com tudo o que você precisa saber sobre a Bolsa de Valores, além de dicas incríveis!

Boa leitura!

 

O que é e como funciona a Bolsa de Valores?

A Bolsa de Valores é um mercado organizado que concentra as negociações de ativos relacionados às empresas, como:

O seu principal objetivo é tornar os negócios líquidos, transparentes e seguros a todos os investidores.

Basicamente, quando um empresa deseja fazer uma captação financeira, ela pode abrir o seu capital na Bolsa de Valores por meio de um  IPO.

Assim, as suas ações passam a ficar disponíveis aos investidores, que, por sua vez, têm a alternativa de se tornarem sócios do negócio.

As negociações da Bolsa de Valores funcionam com base na lei da oferta e demanda. Portanto, quanto maior a procura por um determinado ativo, mais o seu preço sobe.

Geralmente, o aumento da demanda está relacionado a mudanças, seja na empresa, seja no país ou no mundo, que podem trazer benefícios ao negócio.

Um exemplo disso foram os conflitos entre EUA e Irã. No dia 6 de janeiro de 2020, as ações de Petrobras subiram mais de 3% com o aumento do preço do petróleo no mercado internacional.

Na contrapartida, fatos negativos relacionados a um ativo, como, por exemplo, tragédias ambientais, casos de corrupção, surgimento de pestes e afins podem fazer as suas cotações caírem por conta da diminuição na demanda.

Portanto, a Bolsa de Valores atua como um ambiente, no qual os investidores negociam as suas expectativas diariamente.

 

Qual a diferença entre B3 e BM&F Bovespa?

A BM&F Bovespa é o antigo nome da Bolsa de Valores brasileira. Ela foi a união entre a BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros) e Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo).

A fusão delas ocorreu em 2008 e permaneceu até 2017, quando surgiu a B3, que significa Brasil, Bolsa, Balcão.

A B3 resulta da união entre a BM&F Bovespa e a Cetip. Essa última era responsável pelos títulos públicos e privados em circulação no Brasil.

Portanto, o objetivo da fusão dessas empresas foi centralizar as negociações de valores mobiliários e oferecer mais segurança aos investidores.

 

Como investir na Bolsa de Valores?

A Bolsa de Valores é um ambiente on-line mediado pelos Bancos digitais e corretoras de valores. Então, se você deseja investir nos seus ativos, o primeiro passo é abrir uma conta no modalmais.

Assim, é possível ter acesso ao home broker, que nada mais é do que o ambiente de negociação da Bolsa de Valores.

Antes de negociar qualquer ativo, é fundamental definir quais são os seus objetivos, como investidor, por exemplo, aposentadoria, fazer uma viagem ou comprar um imóvel.

Outro ponto importante é conhecer o seu perfil de investidor. Ele é um teste para determinar o seu grau de tolerância ao risco.

O investimento na Bolsa de Valores não é recomendável para os que possuem perfil conservador, pois os riscos podem ser altos.

Com esses dois fatores em mente, fica mais fácil definir os investimentos que devem fazer parte da sua carteira e o prazo de vencimento adequado.

A Bolsa de Valores está repleta de tubarões prontos para atacar. Portanto, o ideal é diversificar o seu capital, mesmo em cenário de juros baixos.

Alocar todo o seu dinheiro em renda variável pode ser muito arriscado, principalmente se você está começando agora.

Existem diversas operações na bolsa de valores, como é o caso do day trade, scalper e swing trade. Para escolher qual é a mais adequada para o seu perfil, é fundamental estudar cada uma delas.

Além da possibilidade de investir na Bolsa de Valores com foco no longo prazo. Assim, é possível lucrar com a valorização das cotações e recebimento de dividendos.

 

Qual o valor mínimo para entrar na Bolsa de Valores?

Na verdade, não há um valor mínimo para começar. Isso depende dos preços dos ativos que você deseja investir.

O lote mínimo para ações e opções é composto por 100 papéis. Já nos fundos imobiliários, ETFs (Exchange Traded Funds), é possível comprar a partir de uma cota.

Geralmente, o recomendável é fazer uma reserva de emergência e depois começar a investir na Bolsa de Valores.

 

Vale a pena investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro?

As oportunidades da Bolsa de Valores não dependem exclusivamente do montante investido.

Portanto, mesmo com pouco dinheiro, você pode ter um bom rendimento. Obviamente, com uma quantia maior, o lucro líquido tende a ser maximizado.

Considere que você possui 100 ações que custam R$ 10,00 cada. Se elas subirem para R$ 20,00, o resultado aumentou R$ 1 mil ou 100% .

Agora, digamos que você tenha 10 mil papéis, ao invés de 100. O lucro ainda será de 100%, mas o retorno ficará em R$ 10 mil.

Perceba que, nos dois casos, você ganhou 100% de lucro. Então, note que o ideal é começar a investir agora mesmo.

 

Quais são os custos da Bolsa de Valores?

Basicamente, as taxas para investir em ativos, como ações, FIIs e opções são:

  • Imposto de Renda (IR): ele é calculado sobre o rendimento da operação. Nas ações e opções, a sua alíquota é de 15% sobre as vendas do mês acima de R$ 20 mil. Para valores menores, há a isenção. Nos FIIs, temos a alíquota de 20%, que é recolhida pelo próprio investidor. Aliás, no modalmais você conta com ferramentas que podem ajudar você na hora de declarar seus impostos, conheça a Calculadora de IR;
  • Emolumentos: essa taxa é cobrada pela B3. Geralmente, ela depende do tipo de operação (normal ou day trade), tipo de investidor (pessoa física ou jurídica) e do volume negociado.
  • Taxa de liquidação e negociação: ambas são descontadas juntamente com os emolumentos. Para as pessoas físicas, elas correspondem a 0,0325% do total negociado.
  • Taxa de custódia: ela é cobrada pelas corretoras, que podem ou não isentar os seus clientes. Então, a alíquota varia conforme a instituição. No modalmais, não cobramos a taxa de custódia de nossos clientes.
  • Taxa de corretagem: esse custo incide sobre as ordens de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores. Geralmente, ele é um valor fixo ou um percentual sobre o negociado. Aqui no modalmais, você encontra os melhores planos com taxa de corretagem a partir de ZERO.

 

Qual o horário de funcionamento da Bolsa de Valores?

Ao investir na Bolsa de Valores, você só poderá enviar ordens de compra ou venda durante o seu horário de funcionamento. Veja o quadro a seguir:

Horários de negociação para ações - Fonte: B3

Horários de negociação para ações – Fonte: B3
 

Portanto, você pode enviar ordens entre às 9h45 até às 18h. Fora desses horários, elas serão canceladas.

 

O que é o pregão da Bolsa de Valores?

Ele é o horário de negociação de ativos na Bolsa de Valores. Assim, o pregão ocorre entre a abertura do mercado até o seu fechamento.

Como mostrado na figura anterior, ele inicia às 10h até às 18h, de segunda a sexta-feira, nos dias úteis.

 

É seguro investir na Bolsa de Valores?

A Bolsa de Valores brasileira pode ser considerada como um ambiente seguro para investir. Para começar, boa parte dos ativos são vinculados ao nome e CPF do detentor.

Dessa forma, evita-se equívocos, como débitos ou créditos indevidos, oferecendo ao investidor a propriedade do investimento.

Além disso, todas as negociações são registradas na CBLC (Câmara Brasileira de Liquidação e Custódia). Ela é responsável por fazer a guarda dos ativos da sua carteira.

É importante destacar que a Bolsa de Valores é fiscalizada e monitorada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A instituição é responsável por proteger os investidores de atos ilegais ou irregulares por parte de administradores de empresas listadas, acionistas e corretoras de valores.

Por fim, a Bolsa de Valores, além do ambiente seguro, pode ser tornar ainda menos arriscada se você souber como ela funciona e ter uma estratégia definida.

 

Quais são as principais Bolsas de Valores do mundo?

Em 2017, com a criação da B3, a Bolsa de Valores brasileira se tornou a 5ª maior do mundo.

Porém, o seu mercado ainda pode ser considerado como pequeno. Até dezembro de 2019, havia cerca de 1,6 milhão de investidores pessoa física cadastrados.

Mesmo com o crescimento de quase 100% em um ano, o número de investidores corresponde a menos de 1% da população brasileira.

Portanto, a influência da B3, no cenário mundial, ainda está em expansão, enquanto que as bolsas de valores dos EUA, Nasdaq e NYSE costumam influenciar o mundo todo.

As Bolsas asiáticas, como de Tóquio, Hong Kong e Shanghai podem sacudir até os mercados do ocidente, principalmente nas commodities.

Na Europa, a Bolsa de Londres e a Euronext (união das Bolsas de Amsterdã, Paris e Bruxelas) podem exercer influência sobre os investidores em outras partes do mundo.

 

Como acompanhar os resultados de suas operações na Bolsa de Valores

Já ouviu falar da Nota de Corretagem? Ela representa o extrato diário e detalhado das suas operações no mercado de ações. Esse documento aponta os dados necessários para declaração dos seus investimentos na Bolsa de Valores.

 

Breve história da Bolsa de Valores no Brasil

A primeira Bolsa de Valores no país foi fundada em 1845, no Rio de Janeiro. Já a Bovespa iniciou em 1890, e logo tomou o espaço da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.

Nos anos 60, cada estado possuía uma Bolsa. Mas, as negociações eram focadas em commodities.

Após diversas aberturas e fechamentos, a Bolsa de Valores no Brasil só começou realmente a vigorar em 1967.

Em 1969, o índice Bovespa foi criado com cerca de 18 ações. Em janeiro de 2020, ele evoluiu para 73 ativos. Além disso, o indicador já acumula mais de 110 mil pontos.

Em 2000, a Bovespa incorpora a BM&F. Porém, a fusão só ocorre, de fato, em 2008, quando passa a se chamar BM&F Bovespa.

Finalmente, em 2017, a Bolsa de Valores se une à Cetip e é criada a B3, como conhecemos hoje.

A Bolsa de Valores é o ponto de encontro de pessoas interessadas em lucrar com ativos financeiros.

Nesse ambiente, não há distinção entre grandes e pequenos investidores. Todos têm oportunidade de alcançar bons resultados.

Em janeiro de 2020, a Bolsa de Valores brasileira anunciou a redução de taxas para pessoas físicas com até R$ 20 mil investidos em uma mesma corretora.

O principal objetivo é democratizar o acesso ao mercado financeiro e atrair pequenos investidores.

Então, este pode ser o momento ideal para você começar, mesmo que tenha pouco dinheiro.

Gostou deste conteúdo? Você pode assinar nossa newsletter gratuita e quando publicarmos mais artigos como este: é só ficar de olho em sua caixa de entrada, pois enviaremos todas as novidades para lá.

Portanto, para investir com segurança e rentabilidade, abra a sua conta no modalmais e veja como ter acesso às melhores opções do mercado financeiro.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?