Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Termômetro de mercado: Inflação norte-americana tem alta acima do esperado

Data de criação:

access_time 10/06/2021 - 11:55

Data de atualização:

access_time 11/06/2021 - 11:12
format_align_left 7 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A edição dessa quinta-feira (10) do Termômetro do Mercado, conteúdo exclusivo preparado pela Eleven Financial Research, traz informações e análises diretas para você começar seu dia. 

Nesta manhã foi divulgada a inflação nos Estados Unidos, que apresentou alta de 0,6% em maio na comparação com abril, e 5% na base anual. A projeção era de alta de 0,4% no mês e 4,7% frente a maio de 2020.

Ao aferir o núcleo da inflação, que exclui componentes voláteis como alimentos e energia, a alta foi 0,7% na comparação de abril, acima dos 0,4% esperados. Este era o índice mais esperado pelos mercados de todo o mundo nesta semana e pode pressionar o Fed a elevar a taxa de juros antes do esperado, com o objetivo de controlar a alta de preços.

Na próxima quarta-feira, haverá reunião do Banco Central Americano, o que indica que os próximos dias serão de movimentos cuidadosos nos mercados. No mesmo dia, o Comitê de Política Monetária brasileiro se reúne para rever a taxa de juros (Selic).

Antes do anúncio, porém, o mercado chinês fechou em alta. Provavelmente influenciado pela declaração do presidente do Banco Central chinês de que a inflação no país está sob controle e a política monetária se manterá estável. A fala acalmou o mercado um dia após o anúncio dos índices de inflação que registraram a maior alta nos preços aos produtores em 12 anos.

O Banco Central Europeu também comunicou, antes do anúncio da inflação dos Estados Unidos, que manterá a sua taxa de juros zerada e que ainda é cedo para reduzir o programa de compras de emergência da pandemia, orçado em 1,85 trilhão de euros.

Porém, a presidente do BCE, Christine Lagarde, entende que, em breve, com o avanço da vacinação e casos de infecções em queda, será iniciada uma conversa para reduzir o incentivo.

E não foi só a taxa de inflação dos Estados Unidos que chamou a atenção. Os estoques de petróleo do país também. Eles tiveram a maior alta desde abril de 2020 com mais de 7 milhões de barris, sugerindo baixa demanda por combustíveis justamente no início do verão.

O que esperar do IBOVESPA hoje?

Ontem, o Ibovespa fechou em leve alta e vive hoje um dia de confirmação de tendência entre seguir rumo aos 133 mil pontos ou se acomodar na faixa dos 126 mil pontos. Sem agenda relevante, o índice deve seguir o comportamento das bolsas internacionais.

Em evento virtual realizado ontem, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, declarou que o Brasil enfrenta um cenário desafiador no que diz respeito à inflação e que, provavelmente, registrará picos nos meses de junho e julho. Ao declarar que o governo fará de tudo para conter a alta inflacionária, ele diz estar certo de que o Banco Central também tomará providências para isso.

O que esperar da VACINAÇÃO no Brasil hoje?

A Butanvac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, recebeu autorização pela Anvisa, para iniciar a fase de testes em humanos. O aval veio após dois meses de reuniões e troca de informações técnicas para garantir a segurança dos voluntários. A expectativa é que a Butanvac seja uma das principais vacinas do País em 2022, com produção de até 30 milhões de doses mensais.

Já os líderes do G-7, grupo dos países mais desenvolvidos, devem se comprometer a entregar 1 bilhão de doses extras de vacinas para ajudar a imunizar 80% da população mundial até dezembro de 2022. O objetivo é acabar com a pandemia no próximo ano. O G-7 se reúne amanhã no Reino Unido e deve finalizar as negociações neste sentido. Independentemente desse acordo, hoje o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve anunciar a compra de 500 milhões de doses da Pfizer que serão doadas a 92 países até o ano que vem.

O que esperar da JSL (ticker: JSLG3)

A JSL adquiriu 100% de participação da Transportes Marvel, empresa focada em cargas refrigeradas, congeladas e secas, principalmente do setor alimentício. O negócio, de R$ 245 milhões, aumenta a participação da JSL no setor de alimentos. Serão pagos R$ 100 milhões no ato do fechamento e o restante em 12 parcelas mensais.

O que esperar da Locaweb (ticker: LWSA3)

Está concluída a compra, pela Locaweb, da Organisys Software, Bling, empresa de soluções de e-commerce, e da Pagcerto, de pagamento. O valor final da transação foi de R$ 524,3 milhões.

O que esperar BRF (ticker: BRFS3)

A BRF irá aportar R$ 764 milhões para ampliar instalações em dois Estados brasileiros. Serão divididos R$ 643 milhões entre as unidades de Capinzal, Concórdia e Videira, em Santa Catarina, e R$ 121 milhões para a planta de Dourados, no Mato Grosso do Sul. O objetivo é ampliar o fornecimento no mercado interno e, também, a exportação para outros países, inclusive a China.

O que esperar da AZUL (Ticker: AZUL4)

Com o avanço da vacinação e a flexibilização da mobilidade dentro do país, a Azul comunicou que espera operar 50 novas rotas na alta temporada de inverno. Para isso, reforçará ligações para o Nordeste do país com maior volume de operações dos aeroportos de Campinas, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife, Salvador e Porto Seguro.

O que esperar das Farmacêuticas?

Segundo reportagem do Valor, as farmacêuticas Althaia e Eurofarma sondam o mercado financeiro com a finalidade de perceber o interesse de investidores por suas companhias. O movimento seria uma preparação para oferta pública de ações, projetada para acontecer nos próximos meses. Já o laboratório Teuto, que protocolou pedido de listagem na Companhia de Valores Mobiliários em fevereiro, ainda avalia se dará prosseguimento ao processo ou não.

O que esperar da Vale (Ticker: VALE3)

Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários, a mineradora Vale diz que não existe risco iminente de ruptura da barragem Xingu e que não houve alteração nas condições ou grau de segurança, que permanece em nível 2.

O que esperar do ITAÚ (Ticker: ITUB4) e C&A (CEAB3)

O Itaú Unibanco reduziu a sua participação acionária na C&A para 4,975%, correspondente a 15,3 milhões de ações. O movimento tem o objetivo de alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da sociedade, segundo nota enviado à rede varejista nesta quarta-feira, 9.

O que esperar da CM Hospitalar (Ticker: VVEO3)

Em fato relevante, a CM Hospitalar comunicou que o seu Conselho de Administração aprovou, nesta quarta-feira, a emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações. Serão emitidas 800.000 debêntures no dia de hoje, totalizando R$ 800 milhões. Os recursos, segundo o comunicado, serão empregados para reforço de capital de giro e alongamento das dívidas de curto prazo.

O que esperar da Eletrobras (Ticker: ELET6)

No primeiro bimestre de 2022 a Eletrobras planeja captar R$ 25 bilhões em recursos privados, segundo o presidente da estatal, Rodrigo Limp. Ele ressaltou que o valor final da operação depende de estudos do BNDES e da própria empresa.

Para onde vai o mercado nesta quinta-feira? Boa pergunta, não? Então veja o Morning Call, com o Rafi. Clique no Play e aproveite.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?