Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Descendo na banguela

Data de criação:

access_time 28/10/2020 - 18:49

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 16:49
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Esse é termo usado por caminhões em grandes descidas nas estradas, muito apropriado para o dia de hoje em que os mercados desceram na banguela. Bolsas da Europa com quedas entre 2,55% e 4,17%, mercados nos EUA tergiversando 3%, e a nossa Bovespa fazendo mínima na casa dos 95 mil pontos. E, não é só isso, o índice VIX, considerado como do pânico, chegou a subindo mais de 20% e o CDS do Brasil (Credit Default Swap) acima de 221 pontos.

Dia marcado por grande constrangimento dos investidores absorvendo informação de nova onda de contágio pela covid-19 em países da Europa. No início da semana, já tínhamos relatado restrições em países como Itália, Espanha e principalmente a França. No decorrer dessa semana, tivemos recordes de contágio nos EUA (500 mil em uma semana) e também na Alemanha. Hoje, Angela Merkel aprovou lockdown parcial de um mês começando na segunda-feira e a Suíça reforçou restrições de circulação.Os investidores surtaram!

Além disso, as eleições nos EUA assumiram características de loteria com relação ao possível questionamento dos resultados e, também, se o ganhador terá ou não o controle das duas casas no Congresso americano. O melhor que tivemos hoje foi a informação de que a União Europeia e o Reino Unido avançaram na solução de discordâncias sobre as relações pós-Brexit. Aqui, ainda temos a prevalência do grave quadro fiscal sem definições de políticas e o Congresso que nada vota, enquanto o tempo corre.

No Canadá, o banco central manteve a taxa de juros básica estabilizada em 0,25%, provocando mínima no dólar canadense. No mercado internacional, o petróleo derreteu ao longo do dia, com queda de mais de 6%, e perto do encerramento ainda mostrava queda de 5,33% para o óleo WTI em NY, com o barril cotado a US$ 37,46. Isso decorre da percepção de adiamento da retomada das economias e aumento da produção da Líbia. Só melhorou um pouco quando o departamento de energia dos EUA anunciou os estoques da semana anterior com acréscimo de 4,8 milhões de barris, e queda também na gasolina.

O euro era transacionado em queda para US$ 1,176 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,77%. O ouro e a prata também tiveram dia de forte queda na Comex e commodities agrícolas com quedas na Bolsa de Chicago. Durante a madrugada, o minério de ferro fechou mostrando alta na China de 1,51%, com a tonelada em US$ 116,96, mas nem de longe suficiente para garantir melhor comportamento para as ações da Vale.

No segmento local, o dólar chegou a arranhar a cotação de R$5,80, obrigando o Bacen a intervir com venda de moeda à vista no montante de US$ 1,04 bilhão, para acalmar o mercado e torná-lo mais funcional.

Mas isso é meio como “enxugar gelo”, já que boa parte do desequilíbrio está também no exterior, em função da aversão ao risco nos mercados.

O Bacen anunciou o fluxo cambial até 23/10, ainda negativo em US$ 667 milhões, deixando o ano de 2020 também negativo em US$ 19,3 bilhões. Pelo canal financeiro em 2020, já saíram recursos no montante de US$ 51,9 bilhões. Até essa data, o Bacen tem ganhos nas operações de swap cambial de R$ 2,3 bilhões e a posição cambial líquida estava em US$ 298,8 bilhões.

No encerramento do dia, o dólar mostrava valorização de 1,38% e era cotado a R$ 5,762. Na Bovespa, na sessão de 26/10, os investidores estrangeiros alocaram R$ 493,7 milhões, deixando o saldo de outubro (seria o segundo mês positivo do ano) em R$ 3,08 bilhões, mas em 2020 ainda mostra saídas líquidas de R$ 84,7 bilhões.

No mercado acionário, dia de forte queda nas Bolsas europeias, com Londres perdendo 2,55%, Paris com -3,37% e Frankfurt com -4,17%. Madri e Milão com perdas de respectivamente 2,66% e 4,06%. No mercado americano, dia de Dow Jones com -3,43% e Nasdaq com -3,73%. As ações de tecnologia estiveram bem pressionadas. Aqui, a Bovespa encerrou com -4,25% e índice em 95.371 pontos, na mínima do dia.

Na agenda de amanhã teremos o IGP-M de outubro, o resultado primário do governo central em setembro e leilão de títulos pelo Tesouro (mais um teste). O BCE faz sua reunião sobre política monetária e teremos o PIB do terceiro trimestre dos EUA e indicadores correlacionados.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?