Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Dia novamente de indecisão

Data de criação:

access_time 18/09/2020 - 09:21

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 17:38
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Ontem foi dia de os mercados realizarem lucros recentes no início do dia, numa parada estratégica que chamamos de “freio de arrumação”, mas depois a Bovespa conseguiu recuperação e manteve a faixa de 100.000 pontos do índice, enquanto dólar fechou em leve queda. Mas nos arriscamos a lembrar de que, com juros reais negativos e a forte liquidez, a procura por ativos reais deve prosseguir. O mercado americano é que voltou a ser pressionado, principalmente nas gigantes de tecnologia na Nasdaq. A Bovespa fechou em alta de 0,42%, em 100.090 pontos e o dólar cotado a R$ 5,23, com queda de 0,17%. O Dow Jones perdeu 0,47% e o Nasdaq com -1,27%.

Hoje mercados da Ásia encerraram o dia em alta, com destaque para Xangai com +2,07%, Europa virando para negativa neste início de manhã por aumento da infecção pelo covid-19 e futuros do mercado americano com Dow Jones em alta e Nasdaq em nova queda. Aqui, seguimos travados na faixa de 100.000 pontos, não deveríamos perder a casa de 98.000 pontos e só fica melhor quando conseguir passar o patamar de 102.000 e 104.000 pontos.

No Reino Unido, as vendas no varejo de agosto cresceram 0,8%, com previsão de alta de somente 0,5%, pelo quarto mês seguido e no ano acumula expansão de 2,8%. Na Alemanha, o PPI (atacado) ficou estável, mas mostra deflação anualizada de 1,2%. Já nos EUA, Trump anunciou US$ 13 bilhões em ajuda para os agricultores, e melhoraram as chances de sair um pacote de estímulo fiscal entre Republicanos e Democratas.

O balanço patrimonial do FED na semana anterior cresceu um pouco para US$ 7,11 trilhões e o FMI avalia o orçamento da Argentina e as medidas cambiais adotadas para nova rodada de ajuda financeira. Já o FED volta a fazer novo teste de estresse com as instituições financeiras e estuda manter a restrição de distribuição de dividendos.

No mercado internacional, petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,59%, com o barril cotado a US$ 41,21. Nova tempestade está sobre o golfo do México e interrompe produção. O euro era transacionado em queda para US$ 1,184 e notes americanos com juros em 0,67%. O ouro e a prata tinham altas na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na bolsa de Chicago.

Aqui a B3 divulgou que o volume médio diário de agosto expandiu 59% em comparação com igual período de 2019, com R$ 31,4 bilhões e a quantidade de investidores ampliou para 3,0 milhões. A CVM acha possível liberar BDRs até o mês de outubro e a B3 estuda o lote mínimo para BDRS e ETFs em 1, abrindo espaço para maior pulverização e tornando a bolsa ainda mais internacional.

A FGV divulgou o IGP-M da segunda prévia do mês de setembro com a inflação subindo para 4,57% (de anterior em 2,34%), acumulando em 2020 inflação de 14,66% e em 12 meses com 18,20%. No mercado, nenhum indicador por aqui na agenda, enquanto nos EUA teremos o índice de indicador antecedente de agosto, a confiança do consumidor de Michigan de setembro e discurso de James Bullard do FED de St. Louis.

Achamos que a Bovespa pode tentar seguir em recuperação, dólar com viés de queda e juros também.

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?