Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Foco na questão fiscal e administrativa

Data de criação:

access_time 03/09/2020 - 09:40

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 18:13
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Ontem a Bovespa até que tentou alguma recuperação no final do pregão, mas encerrou ainda em queda de 0,25%, com índice em 101.911 pontos, depois de ter voltado ao patamar de 100 mil pontos alto. Contrariou tendência global de valorização nos principais mercados acionários. O Dow Jones fechou acima dos 29 mil pontos, o que não acontecia por seis meses e o Nasdaq acima de 12 mil pontos, em novo recorde histórico de pontuação. Motivo por aqui é ainda relacionado com o temor com o quadro fiscal e o orçamento irreal de 2021.

Hoje mercados da Ásia encerraram com comportamento misto, mas destacamos altas de 0,94% em Tóquio e Seul com +1,33%. Na Europa, dia começando com boas altas nos principais mercados, mas os índices futuros do mercado americano operando no campo negativo. Aqui, vamos aguardar o anúncio oficial da Reforma Administrativa, mas o foco permanece na parte fiscal comprometida. Bom seria se conseguíssemos nos aproximar novamente de 104 mil/105 mil pontos do Ibovespa.

Na China, durante a madrugada tivemos o PMI caixin de serviços caindo para 54 pontos (quase estável) em agosto, enquanto na Alemanha o PMI composto (serviços e indústria) caiu para 54,4 pontos, mas acima do previsto. O PMI de serviços é que encolheu para 52,5 pontos, vindo de 55,6 pontos. No Reino Unido, houve alta para 58,8 pontos, no maior nível desde abril de 2015. Na zona do euro, as vendas no varejo surpreenderam negativamente com queda de 1,3% em julho, quando o previsto era alta de 1,2%, muito por conta de desaceleração na Espanha e Itália.

Os EUA planejam novas restrições para diplomatas chineses que atuam no país. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava forte queda de 1,93% nesse início de manhã (ontem também cedeu forte), com o barril em queda de 1,93% e cotado a US$ 40,71. O euro mostrava queda para US$ 1,182 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,65%. O ouro e a prata tinham quedas na Comex e commodities agrícolas com viés de queda na Bolsa de Chicago.

Aqui, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, quer mandar a reforma administrativa direto para a comissão mista para acelerar o trâmite, enquanto os servidores parecem declarar guerra. O governo é que quer estabelecer duas classes de servidores sem estabilidade. Já o ex-presidente do Bacen, Armínio Fraga, acha impossível que o teto de gastos seja mantido pelos próximos seis anos e o orçamento irreal de 2021 pode explodir o teto já em 2021, dependendo do tratamento dado a itens não considerados como recurso do Fundeb, Renda Brasil e Pró-Brasil.

Na agenda do dia teremos dados que podem afetar o comportamento dos mercados na sessão de hoje. Aqui, sairá a produção industrial de julho e PMI da atividade de serviços, enquanto nos EUA teremos os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior, o PMI e ISM da atividade de serviços de agosto, dados da produtividade do trabalho no segundo trimestre e discursos do presidente do FED de Chicago, Charles Evans.

A expectativa inicial é de Bovespa buscando recuperação, dólar mais forte e juros em alta.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?