Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mais um dia positivo

Data de criação:

access_time 06/10/2020 - 18:24

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 17:17
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Mais um dia positivo em alguns dos principais mercados acionários, mas, via de regra, com pouca tração. Por aqui, os investidores lastrearam a alta no processo de pacificação entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes, num guisado de bode ontem à noite, quando Maia pediu desculpas ao ministro pelos excessos cometidos. No exterior, investidores otimistas com Trump sem sintomas mais graves e querendo voltar ao salão oval. Além disso, declarações sobre novos estímulos por parte de Lagarde, presidente do BCE (BC europeu).

Mesmo com tudo isso, não podemos dizer que o dia foi muito firme, e houve alternância de sinais em vários mercados ao longo da sessão.

Nos EUA, soou como combinação as declarações de dirigentes do FED sobre a necessidade de novos estímulos fiscais, inclusive por parte do presidente Jerome Powell. Powell destacou a importância de novos estímulos, pois a economia denota alguma perda de fôlego, e acrescenta que a retomada está sendo incompleta e com riscos. Diz que os preços podem subir moderadamente e a inflação pode ficar acima de 2% por um tempo.

Já Christine Lagarde indica que pode adotar ainda maior flexibilização e cortes de juros. Fala também em recuperação incompleta (serviços fracos), incerta e desigual. Discurso muito semelhante ao de Powell e Harker do FED de Filadélfia. Por outro lado, Nancy Pelosi, presidente da Câmara e Mnuchin, secretário do Tesouro, seguem conversando sobre pacote de estímulo fiscal. Porém, no final da tarde Trump deu uma declaração instruindo os Republicanos a suspenderem negociações sobre pacote fiscal até depois das eleições e rejeitou proposta de Democratas. Os mercados inverteram a tendência de alta. O interessante disso é que Trump pode até ganhar as eleições e perder a maioria no Senado.

Ainda nos EUA, o saldo da balança comercial de agosto mostrou déficit de US$ 67,1 bilhões, com importações expandindo 3,2% e exportações maiores em 2,2%. O relatório Jolts mostrou queda na criação de vagas para 6,5 milhões, de anterior em 6,7 milhões. Tivemos ainda leilão de T-notes de três anos com demanda acima da média e yield de 0,191%.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) disse ser possível ter vacina até o final do ano. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY teve dia de nova recuperação forte, baseado no fortalecimento do furacão Delta que está no Golfo do México. O óleo era negociado em alta de 2,17%, com o barril cotado a US$ 40,07. O euro era transacionado em leve alta para US$ 1,175 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,74%. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro segue sem negociar por conta de feriado prolongado na China.

No segmento doméstico, o vetor principal foi mesmo a pacificação entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes e a notícia de que Bolsonaro colocará ordem na casa na reunião ministerial de hoje. O Congresso nacional agendou que vai analisar os vetos do presidente Bolsonaro somente em 4/11, inclusive os da desoneração da folha de pagamentos. Alcolumbre, presidente do Senado, cancelou pela segunda vez a instalação da CMO (Comissão Mista do Orçamento) no Congresso.

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou que o faturamento real em agosto expandiu 2,3% e já recupera 37,9% desde o mês de maio. No mercado, dia de dólar oscilando bastante e chegando na mínima de R$ 5,47, para fechar com +0,50% e cotado a R$ 5,595.

No mercado acionário, dia de alta de 0,12% para a Bolsa de Londres, Paris com +0,48% e Frankfurt com +0,61%. Madri e Milão com altas de respectivamente 1,44% e 0,85%. No mercado americano, muita oscilação entre positivo e negativo, com o Dow Jones encerrando com -1,34% e Nasdaq com -1,57%. Na Bovespa, dia também de muitas oscilações e encerramento em queda de 0,49% e índice em 95.615 pontos. Máxima do dia chegando a atingir 97.404 pontos.

Na agenda cheia de amanhã teremos a FGV mostrando indicadores do mercado de trabalho e o IGP-DI de setembro, o IC-Br de setembro (commodities) e o fluxo cambial da semana anterior. Nos EUA, o volume de hipotecas MBA do início de outubro, os estoques de petróleo na semana anterior e crédito ao consumidor de agosto. O dado mais importante será a ata da última reunião do FED e muitos discursos de dirigentes do FED.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?