Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Nova York puxa queda global

Data de criação:

access_time 04/09/2020 - 06:43

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 18:11
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

 

Ontem foi dia de queda forte no mercado acionário americano, principalmente nas ações de tecnologia (Apple perdeu US$ 180 bilhões em valor de mercado), provocando estragos nas Bolsas europeias ainda abertas e também na Bovespa. Investidores perguntam se foi somente realização de lucros recentes ou se tem estouro de bolha, tese discutida desde a semana passada.

Em algumas ações sem conteúdo fundamentalista parece haver sim estouro de bolha, mas não dá para generalizar no mercado como um todo. Mas o fato é que o Dow Jones encerrou com perda de 2,78%, e o Nasdaq com -4,96%, depois de estar perdendo mais de 5,50%. A Bovespa reverteu alta da manhã e fechou em queda de 1,17%, aos 100.721 pontos, depois de ter oscilado quase 3.500 pontos entre a máxima e a mínima do dia.

Hoje mercados da Ásia ajustaram para a queda americana de ontem, principalmente nas empresas de tecnologia, Europa tentando recuperação nesse início de manhã e futuros do mercado americano com comportamento misto. Aqui, seria bem positivo não perder o patamar de 100 mil/98 mil pontos do Ibovespa e tentar buscar faixa de 104 mil pontos, mas o dia se revela complicado, não só pela divulgação do Payroll americano de agosto, como ajustes que podem ocorrer em relação aos feriados no Brasil e nos EUA, respectivamente Independência e Trabalho.

Na Alemanha, houve o anúncio das encomendas à indústria em julho, em alta de 2%, mas o previsto era expansão de 5%. O índice DXY de variação do dólar em relação a uma cesta de moedas mostrava certa estabilidade, o que pode gerar maior tranquilidade nos mercados. Joe Biden candidato à presidência dos EUA defende a igualdade racial e a disputa contra Trump deve acirrar, já que a diferença entre os dois estreitou para 7%, vindo de 12%.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,94%, com o barril cotado a US$ 41,76. O euro era transacionado em queda para US$ 1,185 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,65%. O ouro e a prata tinham altas na Comex e commodities agrícolas também com altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, Rodrigo Maia, presidente da Câmara e o ministro Paulo Guedes, mais uma vez encerraram o diálogo e Maia diz que Guedes proibiu interlocução da equipe econômica com ele. Agora Maia falará com Luiz Eduardo Ramos. O governo também fez a entrega simbólica da reforma administrativa ontem ao Congresso. O presidente do Bacen, Campos Neto, declarou que a volatilidade cambial também preocupa (além do desequilíbrio fiscal) e diz que países que necessitam de recursos precisam buscar serem mais inclusivos e sustentáveis.

A FGV anunciou o IPC-C1, a inflação das classes de baixa renda com alta de 0,55% em agosto, vindo de 0,50% nomes anterior. Investidores aguardam a divulgação do Payroll coma criação de vagas na economia em agosto, o item mais importante da agenda, além da taxa de desemprego nos EUA. Porém, a expectativa é de mercado acionário buscando recuperação, dólar mais forte e juros em alta.

Bom dia.

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?