Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Recuperação tímida

Data de criação:

access_time 22/09/2020 - 10:49

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 17:33
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A recuperação dos mercados na sessão de hoje está sendo tímida diante das perdas de ontem, principalmente na Europa. Ontem o dia começou bem fraco para os mercados de risco no mundo, com Bolsas europeias perdendo mais de 3,0%. Porém, no final do dia, os mercados americanos tiveram alguma recuperação e o mesmo acontecendo com a Bovespa. Aqui dia de queda de 1,32%, com o índice terminando em 96.990 pontos, depois de bater 95.820 pontos de mínima.  Nos EUA, o Dow Jones fechou com queda de 1,84% e o Nasdaq com boa recuperação da Apple, em queda de 0,13%. Dólar fechando aqui em R$ 5,40, depois de ter arranhado R$ 5,50.

Hoje mercados da Ásia com comportamento ainda negativo por conta das preocupações com o aumento da contaminação pelo covid-19 e também ajustando para queda americana. Europa buscando tímida recuperação neste início de manhã e futuros do mercado americano com comportamento misto. Aqui há espaço para recuperação, mas as indefinições sobre estratégias de saída da crise e estresse com o quadro fiscal inibem um pouco.

Nos EUA, declarações positivas de dirigentes regionais do FED sobre fazer o necessário para apoiar a recuperação da economia e menor prevenção coma inflação para lidar com aumento dos juros. As previsões são de três anos de juros ao redor do patamar atual. O presidente Trump diz que vai indicar até sábado a nova titular para a Suprema Corte, contrariando postura de esperar passarem as eleições de novembro.

No Reino Unido, o presidente do BOE (BC inglês) Bailey diz que a recuperação do terceiro trimestre está melhor que o previsto e avalia espaço para mais corte de juros, incluindo taxa negativa. Diz também estar acompanhando a evolução do Brexit. Com relação a isso, existe reunião agendada entre a União Europeia e o Reino Unido em 28/09.

No mercado internacional, o petróleo ajuda um pouco com o WTI negociado em NY com alta de 1,60% e barril cotado a US$ 39,94. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,176 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,67%. O ouro e a prata com leve queda na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago.

Internamente, empresários do ramo de açúcar dizem que a cota adicional de exportação para os EUA é insuficiente para cobrir a isenção do etanol dos EUA. Sobre o Renda Brasil, a nova ideia é de cortar gordura da máquina administrativa (leia-se servidores) para incrementar o novo Renda Brasil. Sobre a ata da última reunião do Copom, nenhuma grande novidade em relação ao comunicado, mostrando o Bacen preocupado com andamento das reformas elevando juros estruturais e pouco espaço para novas mudanças. Porém, nenhuma alta da Selic no horizonte de curto e médio prazos, caso nada de excepcional aconteça.

Na agenda do dia, teremos o presidente Bolsonaro discursando com Trump na abertura da Assembleia Geral da ONU. Nos EUA, as vendas de imóveis usados de agosto e o índice de atividade industrial de Richmond. Teremos ainda depoimento do presidente do FED Jerome Powell e do presidente regional de Chicago Charles Evans.

Expectativa de Bovespa podendo recuperar, dólar um pouco mais fraco seguindo exterior e juros com viés de queda.

 

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?