Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Sequência de alta

Data de criação:

access_time 22/10/2020 - 18:51

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 17:01
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Sabem desde quando não víamos quatro pregões de alta em sequência na Bovespa? Desde o início do mês de julho. Ainda que tenhamos tido altas modestas como ontem, ainda assim é importante registrar isso. Também é importante registrar que os investidores estrangeiros estão fazendo outubro positivo em termos de fluxo de recursos canalizados para a Bovespa. A situação fica ainda mais surreal diante de rodas as complicações externas e internas.

O dia começou fraco na Ásia com Bolsas em queda, negativo também na Europa e nos futuros americanos, mas aos poucos a recuperação foi ganhando corpo, num dia de poucos eventos com capacidade de mexer com os mercados, exceto, pontualmente, os resultados do terceiro trimestre de empresas.

Como lembramos logo cedo, os investidores ficariam ligados no noticiário sobre o novo pacote de estímulos nos EUA, que mais lembra um dramalhão México. Num momento vão acertar em 48 horas, ou antes da eleição de 3/11, e em outro a situação ainda conta com divergências significativas entre Democratas e Republicanos, como bem disse o secretário de Trump, Kudlow. O que se sabe até aqui é que a Casa Branca aceita um pacote de US$ 1,9 trilhão. Sabemos também que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, parece mais animada com um acordo, o que é bem positivo.

Com norte no pacote americano, a situação do Brexit passa para segundo plano, mas também, por lá, o quadro desanuviou um pouco. E pode ter bom desfecho até a próxima semana. Isso mesmo considerando que na zona do euro a confiança do consumidor caiu para -15,5 pontos em outubro ou que a Alemanha não está livre de duplo mergulho, caso tenha que restringir ainda mais o contato social. A União Europeia anunciou 100 bilhões de euros para estimular emprego por curto período.

Nos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior encolheram 55 mil posições para 787 mil pedidos, de previsão de ficar em 875 mil pedidos. Os pedidos continuados encolheram 1 milhão para 8,37 milhões. As vendas de imóveis usados cresceram 9,4% em setembro. Não esquecendo que hoje teremos o último debate televisivo entre Trump e Biden, com grande pressão sobre as atividades do filho de Biden.

No Japão, o BOJ (BC Japonês) identificou que o sistema financeiro permanece estável. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alguma recuperação depois da queda forte de ontem e subia 1,55%, com o barril cotado a US$ 40,65. O euro mostrava queda para US$ 1,182 e notes de 10 anos com alta de juros para 0,84%. Em dia de menor aversão ao risco e câmbio desequilibrado, o ouro e a prata tiveram quedas na Comex e commodities agrícolas com altas na Bolsa de Chicago. O minério de ferro é que teve dia de queda na China de 0,48%, com a tonelada em US$ 119,91.

No segmento doméstico, ainda pesa a questão fiscal em deterioração os problemas levantados para rolagem da dívida (principalmente no primeiro quadrimestre de 2021) e como arranjar receita para o programa de renda mínima. Nesse aspecto, lembramos fala do secretário de política econômica, Waldery Rodrigues, que disse que fiscal robusto é condição necessária para social sólido. Ao mesmo tempo, o presidente Bolsonaro disse que não aumentou e nem aumentará a carga tributária no pós-pandemia.

A FGV é que identificou que os consumidores esperam inflação em 12 meses de 4,7% em outubro, no mesmo patamar do mês anterior. No mercado, dia de dólar em queda de 0,18% e cotado no encerramento em R$ 5,595. Na Bovespa, na sessão de 20/10, os investidores estrangeiros ingressaram com recursos no montante de R$ 93,9 milhões, deixando o saldo de outubro positivo em R$ 2,65 bilhões, mas com saídas líquidas no ano de R$ 85,11 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta na Bolsa de Londres de 0,16%, por maior alívio presumido no Brexit, Paris com -0,05% e Frankfurt com -0,12%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 0,22% e 0,05%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,54% e Nasdaq com +0,19%. Na Bovespa, alta de 1,36% e índice em 101.917 pontos com as ações de bancos novamente fazendo a diferença positiva, junto com Petrobras.

Na agenda de amanhã teremos a prévia da inflação oficial pelo IPCA-15 de outubro e o IPC-S da terceira quadrissemana de outubro. Também será divulgada a nota do setor externo de setembro e a confiança do consumidor de outubro. Aqui e no exterior, indicadores PMI da atividade industrial e de serviços.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?