Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ativa recomenda BR Distribuidora

Data de criação:

access_time 11/11/2020 - 14:11

Data de atualização:

access_time 11/11/2020 - 14:11
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os analistas da Ativa Investimentos avaliaram o desempenho financeiro da BR Distribuidora referente ao terceiro trimestre de 2020.

Considerando que os números ficaram abaixo das expectativas, a BR Distribuidora reportou de forma bem mais consistente que no segundo trimestre deste ano, apresentando melhoras em volumes, preços realizados e dinâmica de estoques. “Esperamos reação neutra dos resultados apresentados.”

BR Distribuidora (BRDT3)

Alguns pontos positivos

O crescimento de 20,8% na quantidade de produtos vendidos por metros cúbicos e de 42% das receitas corrobora o movimento de retomada verificado pela empresa. Os volumes de Ciclo Otto foram 31,4% maiores ao passo que os de diesel evoluíram 18,2% enquanto os de aviação 154,4% QoQ. Ebitda ajustado por metros cúbicos também evolui.

Retomada de share: BR atingiu 26,6% de share consolidado em combstíveis, taxa 0,6 p.p. acima QoQ. Em rede de postos, houve avanço de 0,9 p.p. e em aviação 17,4 p.p. Por produtos, etanol registrou avanço de 2,5 p.p., gasolina 1,1 p.p. e diesel 0,3 p.p QoQ.

Queda nas despesa com vendas: Um dos principais objetivos da nova gestão da companhia, a obtenção de melhor disciplina em despesas foi alcançada neste trimestre, onde a companhia verificou queda de 27,6% YoY na rubrica.

Alguns pontos negativos

Share em B2B: Em B2B, houve queda de share de 1,8% devido a queda de vendas ao segmento Transportador-Revendedor-Retalhista.

Gap Anual: Se frente ao 2T20, é inegável a existência de melhoras operacionais, quando comparamos os atuais números YoY, a cena é diferente e ainda há um hiato anual quanto a volumes de vendas (-9,8%), receita líquida (-13,2%) e Ebitda ajustado da rede de postos (- 4,3%), de B2B (-7,9%) e de aviação (-65,6%).

Fluxo de caixa operacional decresce YoY: Desconsiderando efeitos não caixa no Ebitda, o FCO da companhia neste trimestre foi 51,4% inferior YoY, o que ressalta a ociosidade vigente do potencial de geração operacional da empresa.

Justificativas

“Um resultado em linha com nossas expectativas. Apesar da melhora, ressaltamos que o gap operacional anual persiste e que esperamos que a companhia siga empreendendo esforços para se mostrar mais eficiente e assim, corroborar importante movimento de rentabilização e retomada de share em seus principais mercados. Apesar da atual alavancagem não incomodar (1,3x vs. 0,8x), acreditamos que seu processo de estruturação ótima pode e deve envolver projetos de maior eficiência alocativa que não se restrinjam a antecipação da distribuição de proventos.”

A recomendação é COMPRA ao preço alvo de R$22,60 /R$27,95 -UPSIDE em 23,7%.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?