Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas asiáticas ficam divididas

Data de criação:

access_time 20/07/2020 - 09:57

Data de atualização:

access_time 20/07/2020 - 09:57
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários da Ásia ficaram sem direção nesta segunda-feira. Os investidores permaneceram cautelosos com as medidas que serão aplicadas na economia europeia. Além disso, os dados da pandemia ainda ocupam as discussões principais. O Japão apresentou os dados da balança comercial e a China a política monetária.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,12% aos 25.057. O índice Xangai, China, ficou em alta de 3,11% aos 3.314. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 2,68% a 2.216. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,09% aos 22.717. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,08% aos 2.616. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,14% a 2.198. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,08% os 37.418. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,06% aos 12.174. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,53% aos 6.001.

O Banco do Povo da China decidiu manter inalteradas suas taxas de juros de referência pelo terceiro mês consecutivo. A taxa de empréstimos de um ano permaneceu em 3,85% enquanto a taxa para empréstimos de cinco ou mais anos ficou em 4,65%.

As ações de Hong Kong caíram, em semana mais fraca de indicadores. Embora endurecendo com a Lei de Segurança, Pequim dá sinais de apoio ao mercado.

Por lá, o índice subiu com ações de bancos, depois que os órgãos reguladores adotaram o apoio ao mercado. O limite de investimento para seguradoras poderá amparar as fusões e aquisições.

Já no Japão, o governo estuda oferecer US$ 536 milhões em subsídios para as empresas deixarem a China e seguirem para o país.

Em dia de agenda enfraquecida, o foco ficou na balança comercial do Japão.

No país, as exportações caíram 26,2% em junho em relação ao ano anterior. A economia dependente do comércio exterior entrou em recessão, com o Japão registrando novos casos da COVID-19. Porém, mesmo com a pandemia, Tóquio vem mostrando números melhores que o esperado.

No Japão, as exportações japonesas caíram mais de 20% pelo terceiro mês consecutivo, mesmo quando os principais mercados começaram a reabrir devido à paralisação de vírus. O valor das remessas globais do Japão para o exterior caiu 26,2% em relação ao ano anterior, informou o Ministério das Finanças.

As exportações para os Estados Unidos, o maior comprador estrangeiro do Japão, caíram 46,6% em comparação com o ano anterior. Os embarques para a União Europeia caíram 28,4%. Para a China, o indicador caiu 14,4%.

Tradução ID de relatórios oficiais e com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?