Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas asiáticas ficam no vermelho

Data de criação:

access_time 14/07/2020 - 09:42

Data de atualização:

access_time 14/07/2020 - 09:42
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários da Ásia recuaram nesta terça-feira, com os investidores duvidosos sobre o controle de coronavírus na região com o aumento de novos casos. Além disso, cresce novamente a tensão entre os Estados Unidos e a China.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 1,14% aos 25.477. O índice Xangai, China, ficou em queda de 0,83% aos 3.414. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,85% a 2.309. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,87% aos 22.587. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,41% aos 2.620. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,11% a 2.183. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 1,80% os 36.033. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em estável aos 12.209. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,61% aos 5.941%.

A decisão da Casa Branca de rejeitar quase todas as reivindicações marítimas chinesas no Mar da China Meridional aumentou o nervosismo dos investidores. As duas maiores economias do mundo têm discutido sobre tudo, desde a pandemia até os direitos humanos.

O Índice Hang Seng caiu, depois de informações sobre novos casos de coronavírus transmitidos localmente, o que acabou levando as autoridades a reforçar as precauções contra a pandemia.

Ainda outro dado ruim veio da estimativa antecipada do produto interno bruto de Singapura, PIB, para o segundo trimestre. O indicador mostrou contração de 12,6% ano a ano, confirmando a pior recessão de Singapura de todos os tempos.

Na China, as exportações e importações denominadas em dólar aumentaram em junho, à medida que as restrições diminuíam e os países começaram a reabrir suas economias. Os dados alfandegários de junho superaram as expectativas de queda, com as exportações registrando um aumento de 0,5% em comparação com o ano anterior, e as importações saltando 2,7% no mesmo período. Os dados são do Governo Chinês,

Tradução ID de relatórios oficiais e com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?