Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Ásia fecharam no vermelho com Hong Kong

Data de criação:

access_time 22/05/2020 - 10:42

Data de atualização:

access_time 22/05/2020 - 10:42
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Ásia fecharam recuadas nesta sexta-feira, com os olhares para os Hong Kong, que novamente está no radar. Os investidores também concentraram as atenções no Congresso Nacional do Povo da China, que começou hoje em Pequim.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 5,56% aos 22.930. O índice Xangai ficou em queda de 1,89% a 2.813. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 2,02% a 1.752. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,80% aos 20.388. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 2,17% a 2.499. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,96% a 5.497. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 1,41% a 1.970. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,84% os 30.672. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 1,79% aos 10.811.

O índice de referência de Hong Kong caiu forte, depois que o governo central de Pequim disse que o parlamento da China considera um projeto de lei que poderia limitar a atividade de oposição na ex-colônia britânica.

Os protestos em massa no centro financeiro do sul da China cresceram muito no ano passado e só diminuíram um pouco quando a cidade lutou contra a pandemia de coronavírus. Desde então, as autoridades reprimiram os dissidentes, prendendo algumas figuras veteranas da democracia de Hong Kong, alegando que estavam por trás das manifestações que, em grande, parte foram motivadas por jovens estudantes.

O índice de Xangai caiu, apesar da promessa do primeiro-ministro chinês Li Keqiang de desembolsar mais para ajudar a revitalizar a economia do país e conter a crescente perda de empregos devido à pandemia.

Li disse na sessão de abertura do Congresso Nacional do Povo da China, em Pequim, que não estabeleceria nenhuma meta de crescimento econômico para se concentrar no combate à doença. Li alertou para os parlamentares que a batalha contra a pandemia não terminou e instou o país a “redobrar nossos esforços” para reativar o crescimento econômico em queda. Vale destacar que o Congresso só está sendo realizado agora com o surto dando uma trégua, já que o evento deveria ter acontecido há mais de dois meses.

Entre as ações com ganhos em Tóquio ficaram as do SoftBank, alta de 2,83%, as da Fujitsu, alta de 2,685, as da Advantest, alta de 1,15%, e as da Shionogi, alta de 0,72%. Na contramão ficaram as ações da Amada, queda de 5,56%, as da Sumitimo Chemical, queda de 4,635, e as da JFE Holdings, queda de 4,74%.

No Japão, o índice de preços ao consumidor, que inclui derivados de petróleo, mas exclui os preços voláteis de alimentos frescos, caiu 0,2% no ano até abril, mostraram dados do governo nesta sexta-feira, sua primeira leitura negativa desde dezembro de 2016. Isso ficou abaixo da previsão média do mercado de uma queda de 0,1% e seguiu um aumento de 0,4% em março.

Tradução ID de relatórios oficiais com Associated Press

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?