Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Ásia subiram com dados da China

Data de criação:

access_time 30/06/2020 - 09:25

Data de atualização:

access_time 30/06/2020 - 09:25
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários da Ásia subiram na terça-feira, animados pelos resultados de Wall Street e com os dados econômicos mais fortes do que o esperado, apesar dos crescentes casos de coronavírus.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 0,52% aos 24.427. O índice Xangai, China, ficou em alta de 0,78% aos 2.984. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,88% a 1.975. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,33% aos 22.288. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,61% aos 2.589. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,71% a 2.108. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,13% os 34.915. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,68% aos 11.621. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 1,43% aos 5.897%.

Nesta terça-feira, o Japão mostrou que a economia, gradualmente reaberta com restrições de distanciamento social, segue patinando, mas os dados apresentados ficaram menos ruins que o esperado.

Na China, a pesquisa com os Gerentes de Compras revelou que a produção industrial ficou melhor do que o esperado, sugerindo que a economia global pode estar em recuperação depois de cair forte com as paralizações em abril-maio, disseram analistas.

Sobre os indicadores

Na China, o índice dos Gerentes de Compras de Manufatura (PMI) de junho ficou em 50,9, com uma leitura acima de 50 sugere crescimento na produção da fábrica. O resultado foi um pouco melhor do que a leitura de maio de 50,6.

O PMI não manufatureiro oficial, também divulgado pelo Departamento Nacional de Estatística nesta terça-feira, era de 54,4 para junho, acima dos 53,6 em maio e acima das expectativas dos analistas de 53,6. O resultado marcou o crescimento mais rápido desde novembro de 2019. Esta pesquisa diz respeito aos setores de serviços e construção.

No Japão, a taxa de desemprego ajustada sazonalmente foi de 2,9% em maio, ante 2,6% em abril. A proporção de empregos / candidatos caiu de 1,32 em abril para 1,20 em maio, marcando a menor leitura desde julho de 2015, segundo dados do Ministério do Trabalho.

No Japão, a produção industrial caiu 8,4% em relação ao mês anterior. Por setor, todas as indústrias, incluindo automobilística, de máquinas de produção, aço e metais não ferrosos, caíram. Os embarques caíram 8,4% em relação ao mês anterior. Os estoques caíram 2,5% em relação ao mês anterior.

Tradução ID de relatórios oficiais e com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?