Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Ásia sustentam os ganhos no fechamento da semana

Data de criação:

access_time 23/04/2021 - 10:24

Data de atualização:

access_time 23/04/2021 - 10:24
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Ásia fecharam com ganhos nesta sexta-feira (23/04), em semana marcada por balanços financeiros, decisões de governos, bancos centrais e com a agenda global enfraquecida. Nesta sessão, as atenções também estavam concentradas nos novos casos de Covid-19 pela região.

Índices: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 1,12% aos 29.078. O Xangai, China, ficou em alta de 0,26% aos 3.474. O Shenzhen Composite ficou em alta de 0,45% aos 2.298 e o ChiNext (ETF) ficou em alta de 2,08%. O Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,57% aos 29.020. O Topix caiu 0,39% aos 1.914. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em queda de 0,42% aos 47.878. O XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,08% aos 7.060. O Kospi, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,27% aos 3.186. O Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 1,19% aos 17.3006. O FTSE Straits, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,20% aos 3.194. O índice MSCI Asia Pacific subiu 0,30%.

Na China, um índice que acompanha as ações de proteção ambiental subiu mais de 1% depois que o presidente Xi Jinping reiterou a promessa de tornar o país neutro em carbono até 2060. De acordo com o líder, a redução do uso de carvão deverá começar a partir de 2026.

Todas as declarações ocorreram na participação de Xi, de forma virtual, na Cúpula sobre o Clima, que começou ontem sob a coordenação do governo dos Estados Unidos e reuniu os principais líderes globais.

Ainda sobre a pandemia, as ações das empresas de saúde dispararam nas bolsas da região com o aumento de casos de Covid-19 na Índia e no Japão.

Em Tóquio, o índice Nikkei devolveu a alta forte nas negociações de ontem. No país, o avanço de casos de coronavírus está obrigando o governo a voltar com medidas mais restritivas a partir do dia 25 de abril a 11 de maio.  Permaneceram fechados os restaurantes, bares e karaokês que servem bebidas alcoólicas. Eventos esportivos serão realizados sem espectadores, escreveu a Reuters Internacional.

Ainda hoje, a prévia do índice Composto – PMI do Jibun Bank para abril está em 50,2 pontos, acima do final de março em 49,9. O índice de Negócios de Serviços está em 48,3 pontos na prévia de abril, ou seja, estável ante o resultado final de março. O PMI de Manufatura está em 54,2 para abril, ou seja, acima do resultado final de março em 53,3 pontos.

No Japão, os preços ao consumidor caíram 0,1% em março em relação ao ano anterior, com o ritmo de declínio desacelerando ainda mais, proporcionando pelo alívio ao Banco do Japão. De acordo com o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações, em fevereiro, o núcleo do CPI caiu 0,4%.

Por fim, em todos os mercados asiáticos, a possível mudança na política tributária dos Estados Unidos também ficou no radar e derrubou Wall Street no fechamento de ontem.

Entre as ações com ganhos em Hong Kong ficaram as do Alibaba, alta de 5,31%, as da Meituan, alta de 4,93%, as da Xiaomi Corp, alta de 2,27%, e as da Tencent, alta de 1,77%. Na contramão ficaram as ações da China Petroleum & Chemical, queda de 2,00%, as da China Resources Land, queda de 1,60%, e a da China Mobile, queda de 1,59%.

*Tradução ID com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?