Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Ásia voltam para o positivo com sinais de acordo “Fase 1”

Data de criação:

access_time 06/12/2019 - 08:25

Data de atualização:

access_time 06/12/2019 - 09:25
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As ações asiáticas subiram nesta sexta-feira, depois que uma alta autoridade chinesa disse que as negociações para um acordo comercial da “Fase 1” com os Estados Unidos estão progredindo.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 1,07% a 26.498 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,82% a 1.640. O índice Xangai ficou em alta de 0,43% a 2.912. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,23% aos 23.354. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,65% a 3.194. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,36% a 6.707. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,02% a 2.081. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,82% aos 40.445. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,13% a 11.609.

O ministro do Comércio da China, Gao Feng, disse ontem que os negociadores estão em perto de finalizar o acordo “Fase 1”, antes mesmo do próximo dia 15 com as projeções de novos aumentos de tarifas pelos Estados Unidos para produtos da China. No entanto, ele também enfatizou que a China insiste na reversão das tarifas existentes para serem incluídas como parte de qualquer resolução.

Em Tóquio, as ações da Kobe Steel subiram 3,23%, as da produtora de petróleo Inpex caíram 0,79%.

Em Hong Kong, as ações do Galaxy Entertainment subiram 2,25% e as da Tencent em alta de 1,70%.

Na Coreia do Sula, as ações da Samsung subiram 1,82%,

Na Austrália, as ações da Beach Energy subiram 3,75%.

No Japão, os salários médios subiram 0,5% em relação ao ano anterior em outubro, depois de um aumento também de 0,5% em setembro, com os salários reais permanecendo em território positivo, de acordo com dados preliminares divulgados sexta-feira pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

A Pesquisa Mensal de Trabalho mostrou também que o salário médio mensal total por funcionário regular aumentou 0,5% em relação ao ano anterior para Y273.466 em outubro, o segundo aumento consecutivo depois do aumento de 0,5% em setembro. Em termos reais, os salários médios aumentaram 0,1% em relação ao ano anterior.

O CPI total, menos os aluguéis, aumentou 0,3% em relação ao ano anterior em outubro, inalterado em relação a alta de 0,3% em setembro.

Os salários-base, a chave para uma recuperação constante dos ganhos em dinheiro, aumentaram 0,6% em outubro em relação ao ano anterior, o quarto aumento direto depois de subir 0,3% no mês anterior. O pagamento de horas extras permaneceu inalterado em relação ao ano anterior em outubro, após a queda de 0,2% em setembro.

No Japão, a média das despesas mensais de consumo por família em outubro de 2019 foi de Y279.671, uma queda de 3,7% em termos nominais e de 4,0% em termos reais em relação ao ano anterior. Os números ajustados por descontinuidade caíram 4,8% em termos nominais e 5,1% em termos reais em relação ao ano anterior.

A renda mensal média por família foi de Y536.075, alta de 3,9% em termos nominais e de 3,6% em termos reais em relação ao ano anterior. Os números ajustados por descontinuidade caíram 0,2% em termos nominais e 0,5% em termos reais em relação ao ano anterior. Os dados são do Governo do Japão.

No Japão, índice da atividade econômica futura caiu para o nível mais baixo em quase 10 anos em outubro, mostraram dados do Gabinete do Gabinete nesta sexta-feira. O índice chegou a 91,8 em outubro, ante 91,9 em setembro. O resultado foi o mais baixo desde novembro de 2009, quando foi de 90,5. O índice coincidente que reflete a atividade econômica atual caiu para 94,8 em outubro, ante 100,4 no mês anterior. Enquanto isso, o índice de atraso subiu para 104,4 em outubro, ante 104,2 no mês anterior.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?