Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa acompanham o movimento global com o conflito EUA-Oriente Médio

Data de criação:

access_time 06/01/2020 - 15:59

Data de atualização:

access_time 06/01/2020 - 16:59
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa acompanharam as demais ao redor do mundo nesta segunda-feira. O recuo, o maior em mais de um mês, se deu com as preocupações ante o aumento das tensões no Oriente Médio. As ações das empresas de defesa foram beneficadas pelo conflito.

Ao final da jornada, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,41% aos 416.63 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,62% aos 7.575; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,70% a 13.126; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,51% aos 6.013; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,51% aos 23.581; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,47% a 9.600; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,12% a 5.235.

Entre as ações com perdas ficaram as dos bancos, como o HSBC Holdings, queda de 1,55%. As ações das farmacêuticas como a Roche, queda de 0,11%. As das seguradoras como a Allianz, queda de 0,50%.

As ações da John Wood Group subiram 3,76%, as da empresa de energia Aberdeen subiram 4,8%, e a GALP Energia, alta de 2,74%.

No fim de semana, o Irã e os Estados Unidos trocaram farpas, com a morte do general iraniano Qassem Soleimani.

O Irã prometeu retaliação, enquanto o presidente dos Estados Unidos Donald Trump disse que os locais culturais iranianos são um jogo justo para os ataques militares dos Estados Unidos. Trump também ameaçou impor sanções contra o Iraque se o governo expulsar as tropas americanas.

O general Qasem Soleimani, comandante militar mais poderoso do Irã, foi morto no ataque aéreo dos Estados Unidos no Iraque na noite desta quinta-feira, causando uma reviravolta nos mercados globais. O Pentágono disse que Soleimani estava “desenvolvendo ativamente planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque e em toda a região”. O ataque reacendeu tensões geopolíticas com o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, prometendo “vingança severa”.

Em Londres, os contratos futuros de petróleo Brent subiram para US $ 70,74 por barril, fornecendo suporte para os produtores de petróleo, incluindo a BP, alta de 1,9%.

A contratada de defesa BAE Systems viu as ações subindo 2,1%. Seus dois principais clientes, os Estados Unidos e o Reino Unido, estão no Iraque, e o terceiro na Arábia Saudita, um rival do Irã na região.

Na Europa, o índice Composto de Saída PMI da IHS Markit melhorou levemente durante dezembro, mas ainda sinalizou fraco crescimento econômico. Depois de considerar os fatores sazonais, o índice registrou 50,9, ante 50,6 em novembro e um pouco melhor do que a leitura anterior. Apesar da melhoria para o nível máximo de quatro meses, o índice continuou, no entanto, apresentando um nível entre os mais baixos desde o primeiro semestre de 2013. A divergência entre os desempenhos das economias de manufatura e serviços permaneceu perceptível em dezembro.

Na Europa, neste início de ano os índices econômicos Sentix surpreendem pela 3ª vez consecutiva. Os valores de situação e expectativa aumentam cerca de 6 pontos e levam a um aumento no valor do índice geral em 7,6 pontos em janeiro. Em dezembro, o indicador ficou em alta de 0,7 pontos, bem diferente da queda de 4,5 de novembro e também da queda forte de 16,8 em outubro, que o maior recuo o mês no terceiro trimestre de 2019.

Tradução ID de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?