Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa fecham fevereiro em realização

Data de criação:

access_time 26/02/2021 - 15:56

Data de atualização:

access_time 26/02/2021 - 15:56
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa encerraram as últimas sessões de fevereiro em campo negativo e interrompendo a sequência de três semanas com ganhos. Os investidores aproveitaram para realizar lucros com as ações de tecnologia. Porém, pesou também nos mercados da região o desempenho do cenário externo, em especial com os rendimentos dos títulos do Tesouro americano.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 1,64% aos 404.99 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 2,53% aos 6.483 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,67% aos 13.786 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 1,39% aos 5.703 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,93% aos 22.848 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta 1,12% aos 8.225 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 1,78% a 4.702 pontos.

O índice de referência europeu caiu 2,4% na semana com as ações de tecnologia. Os investidores globais deixaram de lado os papéis desse setor, com os preços elevados em função da puxada no período crítico da pandemia.

Despertaram o apetite do investidor, pelo menos neste mês, as ações de commodities, bens duráveis, energia e saúde, com a chegada de mais vacinas para a região. Esses papéis refletiram no desempenho do índice pan-europeu. Além disso, das 194 empresas no benchmark que apresentaram balanços financeiros, até agora, 68% superaram as estimativas dos analistas, de acordo com a Refinitiv. Na mesma linha de bons desempenhos no índice ficaram as ações dos grandes bancos.

Nesta sexta-feira, os rendimentos dos títulos dos Estados Unidos e da Zona do Euro recuaram ligeiramente, mas permaneceram perto das altas atingidas na semana, com os investidores posicionados para uma inflação mais alta este ano e com uma possível mudança na estratégia de juros baixos por parte de bancos centrais.

Por fim, com as reaberturas parciais de várias economias do Velho Continente, as ações das empresas de viagem e lazer sentiram os efeitos e ganharam força.

Na Alemanha, conforme mostrou a agência Efe, a chanceler Angela Merkel disse que os países-membros da União Europeia colocarão em prática um passaporte de vacinação “para o verão”, de modo a possibilitar viagens dentro do bloco europeu.

Entre as ações com ganhos na bolsa de Frankfurt ficaram as da Infineon Tecnologies, alta de 2,48%, as da Volkswagen, alta de 1,13%, as da Fresenius, alta de 0,62%, e as da Daimler, alta de 0,49%. Na contramão ficaram as ações do Deutsche Bank, queda de 3,50%, as da Covestro, queda de 3,01%, e as da Bayer, queda de 2,85%.

Na Alemanha, de acordo com o Serviço Federal de Estatística (Destatis), o índice de preços de importação diminuiu 1,2% em janeiro de 2021 em comparação com o mês correspondente do ano anterior. Em dezembro e novembro de 2020 as taxas de variação anuais foram de -3,4% e -3,8%, respetivamente. De dezembro de 2020 a janeiro de 2021, o índice aumentou 1,9%.

Na França, a despesa de consumo das famílias com bens diminuiu fortemente em janeiro (-4,6% em volume face a dezembro de 2020) e voltou ao nível do ano anterior, depois de ter ultrapassado em dezembro. Essa queda deveu-se à forte queda no consumo de manufaturados (-12,9% em relação a dezembro).

Na Espanha, a estimativa de inflação anual do CPI em fevereiro de 2021 é de 0,0%, de acordo com o indicador flash elaborado pelo INE. Este indicador fornece uma prévia do CPI que, se confirmada, significaria um decréscimo de cinco décimos na sua taxa anual, já que em janeiro essa variação foi de –0,5%.

*Por Ivonéte Dainese com Reuters e Efe

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?