Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa fecham no vermelho com BCE e cautela com o coronavírus

Data de criação:

access_time 23/01/2020 - 16:36

Data de atualização:

access_time 23/01/2020 - 16:36
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa fecharam com perdas nesta quinta-feira. O Banco Central Europeu manteve as principais políticas monetárias inalteradas, conforme o esperado, o que acabou afastando os investidores na busca de ativos mais arriscados, como ações, em meio a uma crescente infecção do coronavírus na China.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,71% em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,85%; o DAX 30 (Frankfurt) recuou 0,94%; o CAC 40 (Paris) caiu 0,65%; o FTSE-MIB (Milão) ficou estável aos 23.707; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,58%; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,55% a 5234.

O Banco Central Europeu não fez nenhuma mudança na política monetári e manteve seu programa de compra de títulos no valor de € 20 bilhões (US $ 22,8 bilhões) mensais. Também como esperado, o BCE anunciou o lançamento de uma revisão de sua estratégia de política monetária.

Os investidores também ficaram concentrados no avanço do coronavírus, que deixou os mercados asiáticos no vermelho. O governo chinês trancou duas cidades até agora, uma onde os primeiros casos do vírus foram relatados. Até agora, 17 pessoas morreram e centenas ficaram doentes. O vírus segue com força nos países asiáticos, com Cingapura relatando o primeiro caso do vírus.

Com esse cenário, as ações das empresas de turismo e de produtos de luxo, que tem a China como grande mercado, estão caindo em todos os mercados acionários.

As ações do Burberry Group, queda de 2,60%, as da Kering, queda de 3,17%, e as da LVMH Moët Hennessy-Louis Vuitton, queda de 2,72%.

Os investidores também ficaram atentos às declarações do presidente Donald Trump durante sua participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, sobre a relação comercial com a União Europeia.

Em entrevista à CNBC, ontem, Trump disse que a União Europeia “não tem escolha” a não ser negociar um acordo com os Estados Unidos. Trump teve um encontro com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na terça-feira e disse à Reuters que, sem um acordo, ele teria que implementar “tarifas muito altas para os seus carros e outras coisas”.

Na bolsa de Frankfurt, as ações da Wirecard AG subiram 4,22%, as do Deustche Bank AG subiram 1,48% e as da Infineon Tecnologies AG caíram 0,82%. Na contramão ficaram as ações da Allianz SE, queda de 0,25%, e as da Siemens AG, queda de 0,36%.

Em Paris, as ações da Engie subiram 1,34%, as da SAFRAN ganharam 1,32% e as do Carrefour avançaram 1,14%. Na contramão ficaram as ações da Renault, queda de 5,06%, as da Kering, queda de 3,17%, as da Accor, queda de 2,23%.

Apenas um indicador está previsto na agenda europeia.

Tradução ID de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?