Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa recuam com ações das aéreas derretendo

Data de criação:

access_time 05/03/2020 - 16:00

Data de atualização:

access_time 05/03/2020 - 16:00
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa recuaram nesta quinta-feira. Os investidores permaneceram atentos ao avanço do corornavírus e aguardando medidas emergenciais de bancos centrais e governos para minimizar os impactos da doença. Nas negociações de hoje, as ações das mais importantes companhias aéreas da Europa foram as maiores perdedoras e a Flybe, que já enfrentava problemas financeiros acabou pedindo falência.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 1,43% aos 380.76 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 1,62% aos 6.705; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 1,51% a 11.944; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 1,90% a 5.361; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 1,78% aos 21.554; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 2,55% a 8.683; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 2,20% a 4.858.

Hoje, o Goldman Sachs despertou o sinal de alerta para o Reino Unido, que poderá enfrentar uma forte recessão com a doença. A economia, que vinha apresentando indicadores relevantes dentro do bloco europeu, está exposta com Brexit. O Goldman instou o Banco da Inglaterra a “facilitar significativamente a política monetária” em 50 pontos-base na reunião de março.

O índice FTSE 100, bolsa de Londres, caiu mais de 2% e a libra esterlina subiu para de US$1,2918 para US$1,2973, da pressão de ações dos Estados Unidos.

Do lado corporativo, o coronavírus foi responsabilizado, em parte, pelo colapso da companhia aérea regional do Reino Unido, Flybe, que entrou em falência.

Já as demais companhias aéreas estão lutando para lidar com uma queda no tráfego de passageiros, com a United, que viu os papéis caindo 9,417%,  declarando suspensão de voos e férias não remuneradas aos funcionários.

As ações da Norwegian Air Shuttle caíram 5%, depois que a companhia aérea descartou sua orientação de lucro e disse que cortaria voos.

As ações da Air France-KLM caíram mais de 3%, enquanto as ações da companhia aérea de baixo custo easyJet caíram 4,44%. As da Ryanair Holdings, que caíram 5,42% no pregão, conseguiram manter a estabilidade.

Por fim, a Airbus também viu as ações caindo mais de 2%. O grupo aeroespacial multinacional pode reduzir a produção do A330neo, depois que a Air Asia X disse que adiaria as entregas em meio a uma queda nas viagens devido ao coronavírus, informou a Bloomberg, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

Ontem, o Fundo Monetário Internacional disponibilizou US $ 50 bilhões em financiamento de emergência para países de baixa e média renda, alertando sobre a ameaça ao crescimento global. Até agora, os governos europeus falharam em anunciar qualquer estímulo sério.

Em Frankfurt, entre as ações com ganhos ficaram as da Deutsche Boerse AG, alta de 1,29%, Vonovia SE, alta de 0,34%, as da Merck KGaA, alta de 0,31%. Na contramão ficaram as ações da Continental AG, queda de 12,36%, as da Infineon Tecnhologies, queda de 5,70%, as da Daimler Ag, queda de 3,81%, as do Deutsche Post AG, queda de 2,24%, as da Deutsche Lufthansa AG, queda de 3,73%, e as da Volkwagen AG, queda de 2,68%.

Na região não foram apresentados indicadores.

Tradução ID de agências internacionais, Bloomberg e Associated Press

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?