Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa recuam com pandemia e EUA

Data de criação:

access_time 15/01/2021 - 16:14

Data de atualização:

access_time 15/01/2021 - 16:14
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Europa devolveram os ganhos da sessão anterior nesta sexta-feira (15). O avanço do coronavírus, que obrigou o aperto nas medidas, e o processo de vacinação permaneceram no foco central. Além disso, os novos registros de mortes na China também despertaram a cautela global.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 1,01% aos 407.85 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,97% aos 6.735 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 1,44% aos 13.787 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 1,22% aos 5.611 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 1,13% aos 22.381 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 1,69% aos 8.230 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 1,51% a 5.038 pontos.

Nesta sessão, o índice pan-europeu recuou 0,8% na semana, a primeira queda desde meados de dezembro.

As preocupações ficaram ainda mais elevadas com alguns países da União Europeia recebendo doses menores do que o esperado de vacinas. A farmacêutica norte-americana Pfizer diminuiu os embarques da vacina desenvolvida com o parceiro alemão BioNTech.

Ainda na Alemanha, a chanceler, Angela Merkel, pediu uma “ação muito rápida” para conter a disseminação do coronavírus, já que o país teve um número recorde de mortes.

A França disse que vai endurecer o controle de fronteira a partir de segunda-feira, escreveu a Reuters.

O Reino Unido anunciou as restrições dos viajantes da América Latina e Portugal. O governo adotou a medida depois de contaminações pela nova variante do coronavírus.

Sobre a China, as autoridades chinesas disseram que mais de 28 milhões de pessoas estão novamente convivendo com bloqueios. A equipe de cientistas da Organização Mundial da Saúde- OMS está na região de Hubei para entender melhor sobre o vírus.

Por fim, os mercados aguardaram com otimismo o anúncio do pacote fiscal pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden. Porém, depois de declarado o aporte de US$1,9 trilhão em estímulos, a cautela surgiu com a probabilidade de aumentos nos impostos.

Entre as ações com perdas na bolsa de Paris ficaram as do Carrefour, queda de 2,8%, depois que o governo francês praticamente eliminou uma possível aquisição de US $ 20 bilhões pela canadense Alimentation Couche-Tard.

Ainda por lá, as ações da Peugeot caíram 4,21%, as da Alstom caíram 4,07%, as da Renault perderam 3,84% e as da Wordline devolveram 3,70%.

Na Europa, a primeira estimativa para as exportações de bens da Zona do Euro para o resto do mundo em novembro de 2020 foi de € 196,7 bilhões. Em comparação com novembro de 2019 (€ 198,6 bilhões), esta é uma queda de 1,0% mas indica, no entanto, um regresso aos níveis pré-COVID.

As importações do resto do mundo cifraram-se em €170,9 bilhões, queda de 4,2% face a novembro de 2019 (€ 178,4 bilhões). Como resultado, a Zona do Euro registrou um superávit de € 25,8 bilhões no comércio de bens com o resto do mundo em novembro de 2020, em comparação com + € 20,2 bilhões em novembro de 2019. O comércio intra-área do euro caiu para € 165,4 bilhões em novembro de 2020 , queda de 1,3% em comparação com novembro de 2019.

Na União Europeia, a primeira estimativa para as exportações extra-UE de bens em novembro de 2020 foi de € 176,6 bilhões, queda de 1,5% em comparação com novembro de 2019 (€ 179,3 bilhões).

As importações do resto do mundo situaram-se em € 151,3 bilhões, menos 6,2% face a novembro de 2019 (€161,3 bilhões). Como resultado, a UE registrou um superávit de € 25,3 bilhões no comércio de bens com o resto do mundo em novembro de 2020, em comparação com + € 18,0 bilhões em novembro de 2019. O comércio intra-UE aumentou para € 266,2 bilhões em novembro de 2020, + 0,6% em comparação com novembro de 2019. Os dados são do Eurostat.

Mais informações aqui

*Por Ivonéte Dainese com Reuters e Efe

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?