Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Cautela toma conta dos mercados asiáticos com acordo “Fase 1”

Data de criação:

access_time 15/01/2020 - 09:36

Data de atualização:

access_time 15/01/2020 - 09:36
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados asiáticos fecharam no vermelho nesta quarta-feira. Os olhares para Washington, DC, despertaram cautela para com a assinatura do acordo comercial “Fase 1” entre os Estados Unidos e a China. Ontem, o governo americano retirou o rótulo de manipuladora cambial da China, mas os analistas estão pessimistas quanto aos demais acordos programados, que podem demorar anos para a conclusão.

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,39% a 28.773 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,22% a 1.814. O índice Xangai ficou em queda de 0,54% a 3.090. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,41% a 3.256. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,45% aos 23.916. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,47% a 6.994. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,35% a 2.230. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,19% aos 41.872. O índice regional MSCI Asia Pacific caiu 0,40% no pregão de hoje.

Autoridades dos Estados Unidos e da China devem assinar o acordo nesta quarta-feira em Washington, DC. Detalhes, como possíveis reformas econômicas na China e reduções de tarifas pelos Estados Unidos – ainda não foram divulgados. Mas, apesar do progresso, especialistas dizem que a resolução de questões-chave levará anos de negociações.

Ontem, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmou, que os Estados Unidos devem manter as tarifas a produtos chineses até a conclusão da “Fase 2”, que pode ocorrer no final do ano.

Uma das questões é a Huawei Technologies Co., gigante chinesa de equipamentos de telecomunicações. O Wall Street Journal informou ontem que os Estados Unidos estão tentando reforçar os regulamentos contra a companhia, e alguns no Congresso estão alegando um plano de US $ 1 bilhão para subsidiar empresas dos Estados Unidos para ajudá-las a competir melhor contra a gigante, entre outras empresas chinesas que desenvolvem a tecnologia 5G.

Hoje, para manter ampla liquidez no Sistema Financeiro antes do feriado do Ano Novo Lunar, que começa no dia 24 e se estenderá por uma semana, o Banco do Povo da China (PBoC) fez uma injeção de 400 bilhões de yuans (US$ 58 bilhões), incluindo recursos com vencimento em um ano e em 14 dias.

Em Tóquio, entre as ações com perdas ficaram as do SoftBank, queda de 1,39%, as da Mazda, queda de 0,94% e as da Sony, queda em 1,94%.

Em Hong Kong, as ações do WH Group caíram 2,07%, as do Sunny Optical, queda em 0,77% e as da CNOOC, queda em 2,36%.

Na Coreia do Sul, as ações da Samsung recuaram 1,67%.

Na Austrália, as da Beach Energy subiram 2,57%.

Na região a agenda estava vazia.

Tradução ID com agências internacionais e relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?