Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Gangorra dos mercados fica em alta

Data de criação:

access_time 23/06/2020 - 19:45

Data de atualização:

access_time 23/06/2020 - 19:45
format_align_left 7 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A gangorra dos mercados acionários globais parou em alta nesta terça-feira, com os investidores pinçando dados interessantes que justifiquem os preços das ações e os movimentos nas bolsas.

Nesta terça-feira não foi diferente na Ásia. As principais bolsas de ações fecharam com ganhos, depois de um susto com uma intepretação errada dando conta das diferenças comerciais entre os Estados Unidos e a China. O presidente Donald Trump garantiu que tudo está bem com aquele acordo comercial fechado em janeiro. Lembra?

Ainda no Japão, as prévias dos índices Gerente de Compras ficaram entre os destaques ruins. O índice subiu no setor de Serviços em relação ao mês anterior de 26,5 para 42,3, mas recuou no caso de Manufatura de 38,4 para 37,8.

No Velho Continente, os índices fecharam no azul. Também os índices Gerentes de Compras, nas prévias de junho, subiram e deram alívio para os negociadores. A pandemia prossegue por lá, mas com menor força justificando os motivos que levaram o primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson a flexibilizar as medidas de bloqueios.

Nos Estados Unidos, os índices de peso de Wall Street fecharam para cima. As ações de tecnologia pesaram, bem como a notícias corporativas. A American Airlines Inc., por exemplo, levantou quase US $ 2 bilhões por meio de uma oferta pública de 74,1 milhões de ações a US $ 13,50 por papel. A companhia aérea também precificou uma oferta de US $ 1 bilhão em títulos conversíveis que vencem em 2025 em 6,50%.

Por aqui, no caminho dos demais, o Ibovespa ficou em alta e perto dos 96 mil pontos. Descolados do campo político complicado, os negociadores olharam para os relatórios corporativos das casas de análises.

O destaque de hoje ficou com o acordo entre o Credit Suisse e o Banco Modal (modalmais) para um trabalho conjunto de longo prazo visando explorar as sinergias entre seus produtos e serviços de investimentos dos dois bancos.

Já o dólar comercial perdeu novamente força para o real com o Banco Central do Brasil anunciando leilão.

Sobre o Coronavírus

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 9.178.773 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 474.513 mortes e 4.595.846 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 2.338.275 casos confirmados de contaminação, com 121.119 mortes e 640.198 pessoas recuperadas.

No Brasil, ainda pela plataforma do Johns Hopkins, os casos confirmados somam 1.106.470, sendo que o número de mortes está em 51.271 com 623.208 pessoas recuperadas. O Brasil está abaixo dos Estados Unidos

Neste momento, o Brasil segue no 2º lugar em um dos rankings mais assustadores da história do mundo. O levantamento é de 19h24 desta terça-feira (23) pelo horário de Brasília.

Veja o comportamento dos mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 1,62% aos 24.907. O índice Xangai, China, ficou em alta de 0,18% aos 2.970. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,56% aos 1.947. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,50% aos 22.549. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,20% aos 2.634. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,21% a 2.131. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,49% os 35.430. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,34% aos 11.612. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,17% aos 5.954%.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 1,30% aos 367.40 pontos em Londres; o índice FTSE100, bolsa de Londres, ficou em alta de 1,21% aos 6.320 pontos; o índice DAX30, bolsa de Frankfurt, ficou em alta de 2,13% aos 12.523 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 1,39% aos 5.017 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 1,86% aos 19.841 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,26% a 7.438 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,80% a 4.449 pontos.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,50% aos 26.156 pontos. O S&P ficou em alta de 0,43% aos 3.131 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 0,74% aos 10.131 pontos.

No Brasil, ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,67% aos 95.975 pontos. O giro financeiro ficou em R$26,45 bilhões.

Operaram com ganhos
GOL PN, alta de 10,86%; Azul PN, alta de 9,06%; Usiminas PNA, alta de 10,34%; Cogna ON, alta de 6,05%; e YDUQS Part. ON, alta de 5,26%.

Operaram com perdas
IRBBRasil ON, queda de 4,96%; CPFL Energia ON, queda de 3,23%; Cielo ON, queda de 2,00%; Lojas Renner ON, queda de 2,49%; e Suzano ON, queda de 2,44%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 3,34%; Vale ON, alta de 1,07%; Bradesco PN, queda de 0,14%; Itau Unibanco PN, queda de 1,32%; e IRBBRasil ON, queda de 4,96%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de maio de 2020 a 04 de setembro de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Vale ON (10,154%), Itauunibanco PN (7,414%), Bradesco PN (5,611%), Petrobras PN (5,610%) e B3 ON (5,405%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,49% aos US$42,52 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 1,74% e com o barril negociado aos US$40,02 na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,65% a US$101,75 a tonelada seca.

No Brasil, ao final, no interbancário, a divisa ficou em queda de 2,25% aos R$5,153 para a venda. O dólar turismo ficou em queda de 2,33% aos R$5,430.

O euro ficou em queda de 1,41% aos R$5,835 para a venda. A libra esterlina ficou em queda de 1,48% a R$6,453 para a venda. O peso argentino ficou em queda de 1,99% a R$0,073 para a venda.

O Banco Central do Brasil voltou a atuar, nesta terça-feira, e colocou o lote de 12 mil contratos em swap para rolagem e com vencimentos em agosto.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em queda de 0,35% aos 96,70.

O euro ficou em alta de 0,41% a US$ 1,1307 e a libra esterlina ficou em alta de 0,43% a US$1.2520.

O Bitcoin ficou em queda de 0,16% a US$9,637,57.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios oficiais e agências internacionais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?