Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Investidores voltam para as compras mantendo cautela

Data de criação:

access_time 23/01/2020 - 20:14

Data de atualização:

access_time 23/01/2020 - 20:14
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O dia foi cheio de notícias confusas sobre a saúde crítica na China. Especulações sobe o avanço do coronavírus contaminaram, em parte, o humor dos investidores dos mercados acionários globais.

Na Ásia, os índices das principais bolsas de ações fecharam com perdas. O resultado pior ficou com os da China, com o Xangai recuando quase 3%. O coronavírus saiu de Wuhan e segue assustando o mundo. O temor de um contágio maior já comprometeu as comemorações do Ano Novo Lunar, que começa neste sábado (25), com o governo chinês suspendendo qualquer manifestação. A cidade de Wuhan está trancada.

Enquanto isso, na Europa, a decisão do Banco Central Europeu em manter a atual política monetária não foi suficiente para o mudar os rumos dos mercados. Além do alerta com o coronavírus, as declarações do presidente Donald Trump no Fórum Econômico Mundial de Davos, Suíça, de que pretende mexer com as tarifas comerciais de produtos e do setor automotivo da União Europeia também ajudaram a azedar o humor para as compras.

Nos Estados Unidos, os índices voltaram para o campo positivo. As notícias corporativas, de política e da Organização Mundial de Saúde – OMS  em não declarar emergência de saúde global na China também contribuíram para puxar os índices de Wall Street para cima.

Por fim, a bolsa brasileira também acompanhou o desempenho global na parte da manhã. Porém, no meio da tarde, o Ibovespa voltou para o campo positivo. Declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, no Fórum de Davos foram bem aceitas e a bolsa fechou em alta.

O dólar perdeu força para o real.

Sobre os mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 1,52% a 27.909 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 3,45% a 1.756. O índice Xangai ficou em queda de 2,75% a 2.976. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,60% a 3.234. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,98% aos 23.795. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,63% a 7.088. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,93% a 2.246. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,66% aos 41.386. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,24% aos 12.118. O índice MSCI Asia Pacific CAIU 0,70%.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,71% em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,85%; o DAX 30 (Frankfurt) recuou 0,94%; o CAC 40 (Paris) caiu 0,65%; o FTSE-MIB (Milão) ficou estável aos 23.707; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,58%; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,55% a 5234

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em queda de 0,09% aos 29.160 pontos. O S&P ficou em alta de 0,11% aos 3.325 pontos. O Nasdaq ficou em alta 0,20% aos 9.402 pontos.

No Brasil, ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,96% aos 119.527 pontos, novo recorde. O giro financeiro ficou em R$ 25,32 bilhões.

Operaram com ganhos
Braskem PNA, alta de 7,26%; Brasil ON, alta de 5,62%; GOL PN, alta de 5,03%; CCR ON, alta de 4,04%; e Localiza ON, alta de 3,83%.

Operaram com perdas
Intermedica ON, queda de 2,54%; IRBBrasil RE ON, queda 2,27%; Cia Hering ON, queda de 2,19%; BRF ON, queda de 2,13%; e AMBEV ON, queda de 2,10%.

Mais negociadas
Brasil ON, alta de 5,62%; Vale ON, queda de 1,42%; Bradesco PN, alta 2,64%; ItauUnibanco PN, alta de 2,37%; e Petrobras PN, alta de 1,06%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

Os preços do petróleo recuaram nos Estados Unidos, com a Agência de Energia divulgando os estoques da semana passada. A queda foi maior do que as estimativas.

O petróleo referência Brent ficou em queda de 1,36% a US$61,57 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 1,83% aos US$55,70 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 3,35% aos US$93,44 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No Brasil, ao final e no interbancário, o dólar comercial ficou em queda de 0,21% aos R$4,166 para a venda. O dólar turismo ficou em queda de 0,46% a R$4,330 para a venda.

O euro caiu 0,79% aos R$4,602 para a venda. A libra caiu 0,61% a R$5,462 para a venda. O peso argentino ficou em queda de 0,57% a R$0,069 para a venda.

Cenário externo

O índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,15% a 97,67.

O euro ficou em alta de 0,32% a US$ 1,1055. A libra segue em queda de 0,15% a US$ 1.3118.

O ouro ficou em queda de 0,21% a US$1,562,10 a onça.

O Bitcoin ficou em queda de 3,01% a US$8,418,95.

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?