Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Hidrovia do Brasil se prepara para IPO

Data de criação:

access_time 18/09/2020 - 16:55

Data de atualização:

access_time 18/09/2020 - 16:55
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A Hidrovias do Brasil (HBSA3) se prepara para estreia no Novo Mercado, segmento de listagem da B3 que reúne as empresas com os maiores níveis de governança corporativa da bolsa, por meio de uma oferta puramente secundária. Neste caso, apenas os acionistas da companhia venderão sua participação, não havendo emissão de novas ações ou captação por parte da Hidrovias do Brasil.

A oferta base será de 399.426.570 ações ordinárias da empresa, que ainda pode ser maior com a colocação dos lotes suplementar e adicional. O lote adicional corresponde a 19,6% da oferta base e o lote suplementar, a 14%.

Com isso, poderão ser ofertadas até 533.560.259 de ações ordinárias da companhia, que representam 70,17% do total de ações.

É interessante observar que apenas o IFC (International Finance Corporation) não venderá as ações que detém da companhia, de modo que todos os demais acionistas venderão algum percentual de sua participação.

Além disso, é importante notar que, com a oferta, a companhia deixará de ter um acionista controlador ou grupo de controle, o que pode ser um fator de risco para a operação futura da Hidrovias do Brasil.

Em relação ao preço das ações, a companhia definiu a faixa indicativa entre R$ 7,56 e R$ 8,88. Dessa forma, considerando o valor médio da faixa de R$ 8,22 e a colocação apenas da oferta base, a operação pode movimentar até R$ 3,28 bilhões. Entretanto, como a oferta é 100% secundária, nenhum valor será adicionado ao caixa da companhia.

É interessante observar que apenas o IFC (International Finance Corporation) não venderá as ações que detém da companhia, de modo que todos os demais acionistas venderão algum percentual de sua participação.

Além disso, é importante notar que, com a oferta, a companhia deixará de ter um acionista controlador ou grupo de controle, o que pode ser um fator de risco para a operação futura da Hidrovias do Brasil.

Em relação ao preço das ações, a companhia definiu a faixa indicativa entre R$ 7,56 e R$ 8,88. Dessa forma, considerando o valor médio da faixa de R$ 8,22 e a colocação apenas da oferta base, a operação pode movimentar até R$ 3,28 bilhões. Entretanto, como a oferta é 100% secundária, nenhum valor será adicionado ao caixa da companhia.

Segmento de Varejo: é para aqueles que desejam investir entre R$ 3 mil e R$ 1 milhão. Além disso, poderão optar pela oferta com ou sem lock-up, sendo que o lock-up para esse segmento é de 45 dias.

Segmento Private: é para aqueles que desejam investir entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões. Esses também poderão optar pela oferta com ou sem lock-up, que, neste caso, é de 60 dias.

É importante destacar que os investidores que optarem pela oferta do tipo lock-up não poderão, pelo tempo estipulado, oferecer, vender, emprestar, contratar a venda, dar em garantia, ceder ou alienar suas ações.

Adicionalmente, a companhia, seus administradores e determinados acionistas vendedores também se comprometem em um período de lock- up de suas ações de 180 dias.

O período de reservas foi iniciado no dia 10 de setembro e termina na próxima segunda-feira (21). A fixação do preço por ação ocorre na quarta-feira (23). A data de estreia na B3 deverá ocorrer na próxima sexta-feira (25).

Alguns destaques sobre a Companhia

Em 2010, o fundo de investimento de infraestrutura Pátria, vendo uma oportunidade de investir na criação de uma malha aquaviária brasileira, fundou a Hidrovias do Brasil, com sede em São Paulo, aportando cerca de US$ 120 milhões na época.

A partir daí, a companhia iniciou uma série de aquisições, buscando empresas pré-operacionais, isto é, que ainda não estavam operando, mas já possuíam um projeto desenvolvido.

Dessa forma, em 2011, a companhia adquiriu uma empresa uruguaia, denominada Baloto, cujo objetivo era construir um porto em Montevidéu para operar um terminal especializado de carga a granel. A obra foi finalizada em 2016 e começou a operar no mesmo ano.

Em 2012, a companhia celebrou uma grande operação: fechou um contrato de 25 anos com a Vale Internacional para transportar o minério de ferro produzido pela empresa, do Brasil até a Argentina.

O contrato foi feito no regime take or pay – modalidade em que o cliente é obrigado a pagar uma penalidade caso não use os serviços solicitados. O projeto foi concluído cerca de dois anos após o fechamento do contrato, com 6 meses de antecedência em relação ao projeto original. Além disso, a empresa expandiu suas operações na fronteira do Uruguai, Argentina, Paraguai e Brasil, fechando contratos para transportar grãos e celulose.

A hidrovia utilizada para fazer o transporte dos produtos citados, é comumente chamada de Corredor Sul, pois abrange a Região Sul da América Latina, compreendendo os Rios Paraná, Paraguai e Uruguai.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?