Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovepa fecha julho em alta de 8,2% e ganha força em 0,5% na semana

Data de criação:

access_time 31/07/2020 - 19:12

Data de atualização:

access_time 31/07/2020 - 21:05
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A bolsa de valores de São Paulo vai deixando o mês de julho em recuperação, com o índice principal avançando 8,26% e reduzindo as perdas no ano, que agora estão em menos 11,01%.  Já na semana, depois de uma puxada forte com os papéis de primeira linha, o Ibovespa subiu 0,51%.

Para esta sexta-feira, com as casas de análises reforçando as recomendações para as ações da maioria das empresas que já publicaram balanços financeiros, os investidores aproveitaram para embolsar lucros. O dia sem agenda doméstica também contribuiu para alguns ajustes.

Os preços das commodities, como o petróleo, subiram e o minério de ferro ficou estável.

Ao final, o Ibovespa ficou em queda de 2,00% aos 102.912 pontos. O volume financeiro ficou em R$34,87 bilhões.

Operaram com ganhos
Cielo ON, alta de 10,95%; Ecorodovias ON, alta de 6,92%; TIM Partic. ON, alta de 6,42%; Telef Brasil ON, alta de 2,97%; e Engie Brasil ON, alta de 3,36%.

Operaram com perdas
Cogna ON, queda de 12,47%; Bradesco PN, queda de 4,14%; Ultrapar ON, queda de 4,10%; AMBEV ON, queda de 4,47%; e Embraer ON, queda de 4,28%.

Mais negociadas
Bradesco PN, queda de 4,14%; Cogna ON, queda de 12,47%; Via Varejo ON, queda de 3,37%; Petrobras PN, queda de 2,72%; e Localiza ON, alta de 1,92%.

Análise Paloma Brum – Toro Investimentos

O mês de julho fechou em campo positivo. Por conta do impacto da COVID-19 no segundo trimestre do ano, as casas das análises mantiveram a cautela nos apontamentos. Entretanto, o que se viu nos mercados de ações foram os índices principais reagindo positivamente ante os dados econômicos menos ruins que as projeções.

“No ambiente macro, julho foi um mês que acompanhamos o dólar perdendo fôlego para o euro e para as moedas emergentes, como ocorreu por aqui. A questão é que a economia dos Estados Unidos, por ser a maior do mundo, acabou frustrando, embora com os esforços do governo, do Congresso e principalmente do Federal Reserve. Essa semana, o Jerome Powell [Fed-boos] disse que não vão medir esforços e utilizar todas as ferramentas para reforçar a economia americana e apoiar os cidadãos. A China assumiu o mesmo compromisso, bem como a Europa com os €750 bilhões. Agora, para que as coisas prossigam são esperadas medidas nos Estados Unidos, embora as incertezas continuem e talvez o crescimento não seja em V. Ainda existe a probabilidade de uma segunda onda da COVID-19”, pontuou.

Mas mesmo com esse cenário externo, Paloma Brum mantém as expectativas positivas em relação ao comportamento da bolsa de ações brasileira, que em alguns momentos descolou do cenário externo e o índice principal disparou. “No campo doméstico, algumas empresas ganharam força, num movimento natural durante o pico da pandemia, como as varejistas no e-commerce, as educacionais e as que têm mais peso no índice, como a Vale beneficiada pelo preço do minério de ferro. A Via Varejo, que recebeu um fluxo das indústrias que dependiam do mundo virtual, teve uma performance extraordinária. Na mesma linha seguiu a Cogna, que foi beneficiada pelo portfólio diversificado com a exposição do ensino fundamental. Você pode até deixar uma faculdade em tempos de crise, como a que enfrentamos, mas quase nunca um aluno deixa o ensino fundamental. O IPO da Vasta no Nasdaq puxou as ações. Todos esses fatores e os negócios entre as empresas contribuíram para a boa recuperação da bolsa”, explicou.

Para agosto, a economista da Toro Investimentos reitera o desempenho dessas empresas e aponta para a retomada das reformas. “ Dois pontos muito positivos estão no radar: as discussões no Congresso sobre a Reforma Tributária, com o governo cumprindo a promessa e os congressistas agilizando; e também a agenda de privatizações, com a Eletrobras no destaque. Porém, tanto no cenário interno como no externo, as notícias mais aguardadas são as vacinas, que estão em fases de testes e já trazendo mais otimismo para a retomada geral das economias. Enquanto isso, estamos em plena temporada de resultados e com a agenda forte para o mês de agosto”, finalizou.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de maio de 2020 a 04 de setembro de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Vale ON (10,154%), Itauunibanco PN (7,414%), Bradesco PN (5,611%), Petrobras PN (5,610%) e B3 ON (5,405%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 0,39% aos US$43,69 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI operou em alta de 1,28% e com o barril negociado aos US$40,43 na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou estável a US$110,58 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?