Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa fecha abril em alta de 10,2%

Data de criação:

access_time 30/04/2020 - 18:29

Data de atualização:

access_time 30/04/2020 - 18:29
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A bolsa de valores de São Paulo manteve o rali por três sessões consecutivas, mas perdeu força nesta quinta-feira. Em semana mais curta com o feriado de amanhã, Dia do Trabalho, o índice principal está fechando em alta de 6,86% e também ganhando força de 10,25% no mês de abril. Mesmo com as altas, a bolsa brasileira operou em forte volatilidade com os números da pandemia de coronavírus e, no pano de fundo, o cenário político com a “dança das cadeiras” em Brasília.

Nesta quinta-feira, o Ibovespa seguiu a fraqueza dos mercados internacionais, que também mostraram recuperação nos últimos dias. O investidor doméstico manteve a posição vendida como proteção por conta do feriado de amanhã.

Ao final da jornada desta quinta-feira, o Ibovespa ficou em queda de 3,20% aos 80.505 pontos. O volume financeiro ficou em R$27,79 bilhões.

Operaram com ganhos
Marfrig ON, alta de 2,64%; TOTVS ON, alta de 0,60%; Suzano ON, alta de 1,78%; Klabin UNT, alta de 1,48%; e BBSeguridade ON, alta de 2,12%.

Operaram com perdas
Smiles ON, queda de 8,87%; Iguatemi ON, queda de 7,68%; Multiplan ON, queda 6,62%; GOL PN, queda de 7,05%; e Bradesco PN, queda de 7,22%.

Mais negociadas
Petrobras PN, queda de 0,82%; Vale ON, queda 4,00%; Bradesco PN, queda de 7,22%; e Itau Unibanco PN, queda de 3,76%.

Análise Alvaro Bandeira – modalmais

Mesmo com a pandemia de coronavírus atingindo o Brasil em cheio, os investidores tentaram manter o ritmo nos negócios e olharam para o cenário externo. “A COVID-19, no cenário externo, mexeu com os mercados no início da contagem, mas para o final do mês houve o achatamento da curva o que acabou dando ‘certo’ alívio e algumas economias foram reabertas. Ressaltando que, nos últimos dias, as decisões ocorreram com as informações de um remédio capaz de combater a doença. Essa disposição também pesou em alguns países da Europa. Destacando também que enfrentamos uma turbulência entre as commodities, com o preço do petróleo derretendo”, pontuou.

Por aqui, a contaminação pela COVID-19 e o cenário político também refletiram no movimento do mercado financeiro. “O que nós acompanhamos foi o clima pesando entre os três poderes e os projetos para o País foram jogados para 2021. Mas mesmo assim, em meio ao pico da pandemia, o mercado reagiu. O lado cambial tornou papéis em bolsa mais baratos e o investidor aproveitou. Diante disso tudo, o mês de maio não deverá ser muito diferente. As projeções de PIBs são pessimistas para o mundo e com as empresas já sinalizando rombos nos balanços para os próximos dois trimestres. No Brasil serão necessárias as aprovações de reformas imediatas para que o segundo semestre fique menos ruim. Se nada ocorrer, alguma coisa positiva ficará mesmo para 2021”, finalizou o economista-chefe e sócio do modalmais, Alvaro Bandeira.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent fechou em alta de 0,72% aos US$26,67 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 26,76% aos US$19,09 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 1,87% a US$84,04 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?