Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa fecha semana em queda de 5,3%

Data de criação:

access_time 03/04/2020 - 19:14

Data de atualização:

access_time 06/04/2020 - 10:20
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois de fechar o mês de março em queda de 29,90% e o trimestre recuado em 36,86%, o Ibovespa amargou mais uma desvalorização de 5,30% na semana. O impacto na bolsa brasileira, como nos demais mercados acionários globais, se deu com os efeitos da epidemia de coronavírus, que além de dizimar vidas, evoluir no número de contaminações, já está promovendo os sinais para uma forte recessão global.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa ficou em queda de 3,76% aos 69.537 pontos. O volume de negócios ficou em R$22,10 bilhões.

Operaram com ganhos
Cyrela Realt ON, alta de 2,57%; Cogna ON, alta de 1,64%; Rumo ON, alta de 1,47%; YDUQS Part. ON, alta de 1,99%; e BTGP Banco UNT, alta de 1,25%.

Operaram com perdas
Intermedica ON, queda de 12,03%; Usiminas PNA, queda de 11,88%; RaiaDrogasil ON, queda de 9,39; Localiza ON, queda de 10,83%; e B2W Digital ON, queda de 9,33%.

Mais negociadas
Petrobras PN, queda de 1,10%; Vale ON, queda de 5,33%; Bradesco PN, queda de 3,71%; ItauUnibanco PN, queda de 3,91%; B3 ON, queda de 2,58%.

Análise Bruno Madruga – Monte Bravo

Depois de fechar o mês de março com os piores resultados de sua história, a bolsa de valores de São Paulo operou em forte volatilidade. Em alguns momentos, o índice principal bem que ensaiou uma recomposição, mas o investidor voltou para as vendas com os dados econômicos globais já contraídos pelos impactos do coronavírus.

O recuo forte na bolsa paulista foi o pior quando comparado com a crise global de 2008-2010 e da mais recente no Brasil em 2016. “Foi um mês marcante, com a bolsa caindo quase 50% em apenas 20 dias, uma velocidade muito rápida e que pegou o investidor de surpresa. Hoje, depois de tudo que acompanhamos em março e fechando o primeiro trimestre muito diferente do que o programado, o grande peso ficou com os dados do Payroll dos Estados Unidos. Apesar da queda forte, acredito que também existe um pouco de exagero de curto prazo, considerando que agora o curto prazo pode ser contado com 30 dias, 60 para o médio prazo e 90 para o longo prazo.  Com isso tudo, ninguém mais arrisca mudar a posição de vendida para comprada numa sexta-feira. Por enquanto, ainda não dá para traçar um viés de como será o comportamento dos mercados nos próximos dias. A cautela vai mesmo prevalecer”, avaliou Madruga, que também destaca uma lição positiva para depois dessa crise. “Dizem que é na crise que crescemos. Posso destacar dois pontos importantes para o final: o surgimento de ótimos profissionais do mercado financeiro e a nova safra de investidores”, finalizou o head de renda variável da assessoria de investimentos Monte Bravo, Bruno Madruga.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent fechou em alta de 16,17% aos US$34,78 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 14,53% aos US$29,00 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,50% a US$83,30 a tonelada seca e com 62% de pureza.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?