Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa fica de lado com cenário externo e o COVID-19

Data de criação:

access_time 18/02/2020 - 19:08

Data de atualização:

access_time 18/02/2020 - 19:08
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O Ibovespa ficou de lado nesta terça-feira. O radar permaneceu no cenário externo, mais precisamente na volta de Wall Street, com as gigantes de tecnologia já projetando recuo nos resultados financeiros com a epidemia do COVID-19.

As ações da Apple Inc recuaram nesta sessão, depois que a gigante divulgou comunicado nesta segunda-feira alertando que não atingiria sua meta de vendas no trimestre atual porque a epidemia do COVID-19 na China estava afetando a produção e a demanda de seus iPhones.

Hoje, o Facebook Inc anunciou o cancelamento de um evento por causa do COVID-19. “Nossa prioridade é a saúde e a segurança de nossas equipes; portanto, com muita cautela, cancelamos nossa Cúpula de Marketing Global devido à evolução dos riscos à saúde pública relacionados ao coronavírus”, disse um porta-voz do Facebook . A cúpula de marketing aconteceria no próximo mês em San Francisco.

Antes, o Facebook abandonou o Mobile World Congress, uma das maiores e mais conhecidas conferências de telecomunicações do mundo, pelo mesmo motivo, levando ao cancelamento do programa.

Além das empresas de tecnologia, o setor de turismo, viagens de negócios e, principalmente, companhias aéreas já se preparando para a contração econômica.

No cenário doméstico, as declarações sobre as reformas Tributária e Administrativa também estão ganhando a atenção dos investidores. A temporada de balanço, as fusões e aquisições também ficaram no cardápio doméstico.

De outro ladom as indústrias brasileiras também já se preparam para as consequências do avanço do COVID-19, mesmo sem o País registrar nenhum caso de contaminação.

Ao final, o Ibovespa ficou em queda de 0,29% aos 114.977 pontos. O volume financeiro ficou em R$20,22 bilhões.

Operaram com ganhos
Marfrig ON, alta de 7,34%; Eletrobras ON, alta de 5,95%; Eletrobras PNB, alta de 5,23%; Cia Hering ON, alta de 2,39%; e as da Cielo ON, alta de 2,21%.

Operaram com perdas
Qualicorp ON, queda de 3,10%; BTGP Banco UNT, queda de 3,04%; Cogna ON, queda de 2,65%; AMBEV ON, queda de 2,53%; e Hypera ON, queda de 2,91%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 1,33%; Itausa PN, alta de 1,46%; ItauUnibanco PN, alta de 0,42%; e Vale ON, queda de 1,14%; e Bradesco PN, queda de 0,39%.

Carteira Teórica

Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,82% a US$58,21 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,27% aos US$52,19 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro ficou em alta de 2,23% a US$1.602,16 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,33% aos US$90,18 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?