Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Indicadores da China e do Japão pesam nos desempenhos dos mercados

Data de criação:

access_time 31/05/2021 - 10:53

Data de atualização:

access_time 31/05/2021 - 10:53
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas da Ásia fecharam divididas nesta segunda-feira (31/05). Os investidores acompanham os indicadores econômicos da China e do Japão.

Índices: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou estável aos 29.151. O Xangai, China, ficou em alta de 0,41% aos 3.615. O Shenzhen Composite ficou em ata de 1,10% aos 2.419 e o ChiNext (ETF) ficou em alta de 2,13%. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em alta de 1,00% aos 51.937. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,99% aos 28.860. O índice Topix ficou em queda de 1,26% aos 1.922. O XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda 0,25% aos 7.161. O Kospi, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,48% aos 3.203. O Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 1,17% aos 17.068. O FTSE Straits, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,45% aos 3.164.

Na China, os mercados reagiram positivamente aos indicadores econômicos, que afastaram, pelo menos neste instante, um aperto monetário. A moeda local mais forte ante o dólar ajudou no fluxo estrangeiros.

A atividade fabril da China desacelerou ligeiramente em maio, à medida que os custos das matérias-primas cresceram em seu ritmo mais rápido em mais de uma década, pesando na produção de pequenas empresas voltadas para a exportação.

No Japão, as ações subiram com os investidores buscando a recuperação das perdas mensais, embora limitadas por um resultado positivo das farmacêuticas locais. Enquanto isso, as autoridades de saúde estão correndo contra o tempo para vacinar a população até meados de julho, já que as Olimpíadas de Tóquio começam no dia 23.

Na China, no fim de semana, o Departamento Nacional de Estatísticas divulgou o índice que mede a atividade dos setores de construção e serviços, subindo para 55,2, acima dos 55,1 esperados pelos economistas.  O índice de Fabricação de maio chegou a 51 ante os 51,1 esperados. No geral, o índice Composto ficou em 54,2.

No Japão, os dados do Ministério da Economia, Comércio e Indústria (METI) mostraram que a produção da fábrica cresceu 2,5% em relação ao mês anterior.

O aumento na produção foi melhor do que o ganho de 1,7% do mês anterior, mas muito mais fraco do que uma previsão de alta em 4,1%. Os fabricantes consultados pelo METI esperavam que a produção caísse 1,7% em maio, seguida por uma recuperação de 5,0% em junho.

Por fim, o Ministério mostrou que as vendas comerciais de abril de 2021, nas preliminares, estavam em 45.489 bilhões de ienes, alta de 11,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Olhando para isso pelo atacado e varejo, o comércio atacadista ficou em 33,289 bilhões de ienes, alta de 11,7%.

As vendas ficaram em 12,2 trilhões de ienes, alta de 12,0% ano a ano. A redução das vendas comerciais em relação ao mês anterior, com ajuste sazonal, foi de -2,1%. O comércio por atacado caiu 0,9% no período e o varejo 4,5% no período.

*Tradução ID

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?