Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas

Data de criação:

access_time 18/03/2020 - 10:54

Data de atualização:

access_time 18/03/2020 - 10:54
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quarta-feira (18/03).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 4,18% a 22.291 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 1,55% a 1.678. O índice Xangai ficou em queda de 1,83% a 2.728. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 1,18% a 2.425. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 1,68% aos 16.726. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 6,43% a 4.953. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 4,86% a 1.591. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 5,59% os 28.869. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 2,34% aos 9.218. O índice regional MSCI Asia Pacific encerrou o dia com queda de 2,4%.

As bolsas asiáticas fecharam no negativo novamente. Hoje, o presidente do Banco do Japão (BoJ), em pronunciamento ante o parlamento japonês, defendeu as operações de compra de ações feitas pelo banco, apesar dos prejuízos (estima-se algo entre US$ 18,6 bilhões a US$ 27,9 bilhões) sofridos pela instituição com as quedas recentes das ações.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em queda de 4,52% aos 278.13 em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 4,41% aos 5.058; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em queda de 5,30% a 8.464; o CAC 40 (Paris) seguia em queda de 5,50% a 3.766; o FTSE-MIB (Milão) seguia em queda de 2,73% aos 14.896; o Ibex 35 (Madri) seguia em queda de 3,66% a 6.260; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 2,75% a 3.729.

Na Europa, como na Ásia, as bolsas estão operando no vermelho. O que se vê é o pânico com o avanço do coronavírus no mundo. As moedas da região estão operando desvalorizadas ante o dólar. Na região serão apresentados indicadores, como a inflação ao consumidor da Zona do Euro ficando em 1,2% em fevereiro, na comparação anual, permanecendo bem abaixo da meta de 2% perseguida pelo Banco Central Europeu (BCE).

ESTADOS UNIDOS: O Dow Jones opera em queda de 5,75% aos 19.988 pontos. O S&P opera em queda de 5,54% aos 2.389 pontos. O Nasdaq opera em queda de 4,59% aos 6.992 pontos.

Os índices de Nova York voltam a operar em queda livre. O que se vê é o investidor deixando de lado os esforços do governo americano em combater os efeitos da pandemia sobre a economia e com o fantasma da recessão voltando a assustar. O índice DXY segue em alta de 0,82% aos 100,39 pontos, nesta manhã. Nos Estados Unidos serão apresentados indicadores.

BRASIL: O Ibovespa opera em queda de 7,16% aos 69.300 pontos. O dólar comercial opera em alta de 2,58% aos R$5,131 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo dá sinais de mais um circuit breaker, com os índices de peso de Nova York abrindo no negativo. Hoje, as atenções também estão voltadas para Brasília, com o projeto do Governo Federal em declarar Estado de Calamidade Pública. Além disso, é esperado mais um corte na taxa Selic ao final da reunião do Comitê de Política Monetária, Copom, do Banco Central do Brasil. As apostas apontam para um corte de até 0,50 pontos percentuais e trazendo a taxa para 3,75% ao ano.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em queda de 6,51% aos US$26,86 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em queda de 10,50% aos US$24,12 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em queda de 1,60% a US$1.501,40 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,56% a US$91,71 a tonelada seca e com 62% de pureza.

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?