Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas neste momento

Data de criação:

access_time 08/07/2020 - 12:12

Data de atualização:

access_time 08/07/2020 - 12:12
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quarta-feira (08/07).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 0,59% aos 26.129. O índice Xangai, China, ficou em alta de 1,74% aos 3.403. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,88% a 2.198. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,78% aos 22.438. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,30% aos 2.669. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,24% a 2.158. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,94% os 36.329. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,64% aos 12.170. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 1,54% aos 5.920%.

Os mercados asiáticos fecharam sem direção nesta quarta-feira, com as incertezas sobre a pandemia pesando no humor do investidor. A cautela seguiu também com os resultados de Wall Street no dia anterior. Como nas demais partes do mundo, os mercados também estão se preparando para o início da temporada de resultados financeiros. Pequim e Washington elevaram o tom de tensão, com Hong Kong no centro. Apenas o Japão apresentou indicadores.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 caía 0,60% aos 366.76 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 0,48% aos 6.161 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em queda de 0,51% a 12.551 pontos; o CAC 40 (Paris) seguia em queda de 1,00% a 4.993 pontos; o FTSE-MIB (Milão) seguia em queda de 0,37% aos 19.944 pontos; o Ibex 35 (Madri) seguia em queda de 1,38% a 7.343 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 0,04% a 4.450 pontos.

As bolsas europeias dão sinais de fechamento em campo negativo. Os novos casos da doença nos Estados Unidos, bem como em outras partes do mundo, estão no foco central. Hoje, o chanceler do Reino Unido, Rishi Sunak, deve divulgar mais medidas de gastos para ajudar a batalha da economia contra a recessão da Covid-19. As estimativas dos membros da União Europeia de que a recessão deste ano causada pela pandemia será mais profunda do que o previsto também estão ajudando a azedar o humor. Mais, as projeções sobre a recuperação no próximo ano podem ser mais fracas do que o esperado. A agenda da Europa está vazia.

ESTADOS UNIDOS – Há pouco, o Dow Jones estava em alta de 0,58% aos 26.040 pontos; o S&P estava em alta de 0,66% aos 3.166 pontos; e o Nasdaq estava em alta de 1,15% aos 10.463 pontos.

A bolsa de ações de Nova York está operando com ganhos, depois da queda de ontem, lideradas pelo índice Nasdaq. Entretanto, os investidores seguem atentos aos números de infectados nos Estados Unidos. São mais 19 estados registrando o agravamento da pandemia e com os hospitais superlotados. Ontem, de  acordo com os dados compilados pela Johns Hopkins University, foram registrados 60 mil novos casos. Texas e Flórida tornaram-se os epicentros do ressurgimento, com a Flórida relatando 7.361 casos e o Texas mais de 10 mil infectados – o maior aumento em um dia até o momento. A agenda local está vazia, com apenas a divulgação dos Estoques de Petróleo e o Crédito do Consumo.

BRASIL: Ibovespa opera em alta de 1,54% aos 99.270 pontos. O dólar comercial opera em queda de 0,34% aos R$5,366 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo ganhou força nas primeiras horas das negociações, com o investidor mantendo o bom humor pelos dados econômicos divulgados pelo IBGE, como as vendas no Varejo disparando para os melhores resultados para o mês de maio em 20 anos. No pano de fundo está o cenário externo, com Wall Street operando no azul. Hoje, no campo político a Câmara Federal deve voltar a discutir o relatório da MP 975, que cria programa de emergência para micro, pequenas e médias empresas. Outro destaque é o limite dos juros do cheque especial e do cartão de crédito, que acabou derrubando as ações de bancos brasileiros nas negociações de ontem, que volta para a mesa em agosto. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) também deixou claro que não passará na Casa mais nenhum outro imposto, como a CPMF. A agenda doméstica estava carregada. O dólar perde força.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em queda de 0,23% aos US$42,98 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em queda de 0,22% aos US$40,53 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta de 0,84% a US$1.825,00 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 3,39% a US$106,50 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e agências internacionais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?