Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas neste momento

Data de criação:

access_time 06/07/2020 - 12:18

Data de atualização:

access_time 06/07/2020 - 12:18
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta segunda-feira (06/07).

ÁSIA –Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 3,81% aos 26.339. O índice Xangai, China, ficou em alta de 5,71% aos 3.332. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 3,90% a 2.121. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,83% aos 22.714. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,38% aos 2.689. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,65% a 2.187. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,29% os 36.487. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 1,74% aos 12.116. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,71% aos 6.014%.

As bolsas de ações asiáticas fecharam em campo positivo nesta segunda-feira. Os investidores ainda olharam para os dados do emprego nos Estados Unidos, divulgados na última quinta-feira (02), e também esperando por mais apoio dos bancos centrais para a recuperação econômica global. Nesta semana, os investidores aguardam decisões sobre taxas de juros na Austrália e na Malásia. Os mercados também acompanharam as eleições em Singapura e o temor de nova onda de manifestações em Hong Kong com a nova Lei de Segurança. Apenas a Austrália apresentou os dados do emprego.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 subia 1,29% aos 370.11 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em alta de 1,81% aos 6.269 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em alta de 1,64% a 12.733 pontos; o CAC 40 (Paris) seguia em alta de 1,59% a 5.086 pontos; o FTSE-MIB (Milão) seguia em alta de 1,57% aos 20.033 pontos; o Ibex 35 (Madri) seguia em alta de 2,26% a 7.571 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em alta de 0,63% a 4.432 pontos.

Na Europa, na mesma posição da Ásia, as bolsas dão sinais de fechamento com ganhos nesta segunda-feira. O bom humor se dá com as reaberturas das economias, apesar dos números da pandemia no mundo, os negociadores ainda estão olhando para os dados da economia norte-americana. O desespero para que o “novo normal” tenha início vem também das expectativas para mais aportes por parte dos bancos centrais e dos governos, como a reunião do final de julho dos membros da Comissão Europeia sobre o fundo de euros bilionário. Ainda por lá, na Irlanda, a média de sete dias das transações com cartões de crédito e débito está agora apenas 4% abaixo dos níveis do início de março, de acordo com a Davy Research, com dados do banco central. Bares e cabeleireiros reabriram na Inglaterra no fim de semana, e o Springboard informou que na Inglaterra a atividade de pedestres, ou footfall, aumentou 19,7% no sábado em comparação com a semana passada. Na Europa, entre os indicadores, o Sentix para a Zona do Euro e muitas outras regiões melhoraram pela terceira vez consecutiva em julho. O índice geral da Eurolândia subiu 6,6 pontos, para -18,2 pontos. As moedas estão recuadas.

ESTADOS UNIDOS – Há pouco, o Dow Jones estava em alta de 1,23% aos 26.141 pontos; o S&P estava em alta de 1,32% aos 3.171 pontos; e o Nasdaq estava em alta de 1,97% aos 10.408 pontos.

A bolsa de Nova York opera em forte alta nesta segunda-feira, com os índices de peso em recuperação da queda na última sessão da semana passada. Os investidores estão tentando manter o humor, apesar das ameaças da China e dos aumentos nos casos de coronavírus nos Estados Unidos. A China defende sanções e críticas sobre sua decisão de impor uma Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, que atraiu as críticas dos Estados Unidos e do Canadá. O índice DXY opera em queda de 0,49% a 96,70.

BRASIL: Ibovespa opera em alta de 2,37% aos 99.187 pontos. O dólar comercial opera em queda de 0,19% aos R$5,310 para a venda.

A Bovespa segue acompanhando o bom externo, com o índice flertando os 100 mil pontos. No radar segue a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, para a CNN, de que o governo deverá fazer quatro grandes privatizações em até 90 dias e que a Reforma Tributária deverá ser aprovada ainda em 2020 também está no radar. O ministro considerou a criação de um imposto sobre transações digitais que permita custear a desoneração da folha de pagamentos e uma redução na alíquota do IVA, embora reconheça que o debate sobre esse tópico enfrenta resistência no Congresso. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reforçou que não pautará a criação de novo imposto até o fim de seu mandato. O dólar comercial opera na contramão do Ibovespa, em dia de agenda vazia e com o Boletim Focus sem grandes alterações para a semana.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em alta de 1,26% aos US$43,34 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em alta de 0,49% aos US$40,86 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta de 0,14% a US$1.792,50 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,59% a US$101,24 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?