Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Movimentos das bolsas de ações e moedas

Data de criação:

access_time 10/02/2020 - 10:35

Data de atualização:

access_time 10/02/2020 - 10:35
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta segunda-feira (10/02/20).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,59% a 27.241 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,21% a 1.757. O índice Xangai ficou em alta de 0,51% a 2.890. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,58% a 3.163. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,60% aos 23.685. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,14% a 7.012. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,49% a 2.201. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,39% aos 40.979. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,33% aos 11.574.

Na Ásia, as bolsas de ações fecharam no vermelho nesta segunda-feira. O índice MSCI Asia Pacific fechou em queda de 0,4%. Na China, muitos trabalhadores voltaram para as fábricas e escritórios, embora haja a expectativa de que muitas empresas permaneçam fechadas e que funcionários continuem a trabalhar de casa. Indicadores da China ficaram entre os destaques e as moedas permaneceram estáveis ante o dólar.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em queda de 0,10% aos 423.92 em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 0,13% aos 7.457; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em queda de 0,27% a 13.477; o CAC 40 (Paris) seguia em queda de 0,35% a 6.008; o FTSE-MIB (Milão) seguia em alta de 0,21% aos 24.532; o Ibex 35 (Madri) seguia em queda de 0,12% a 9.799; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 0,46% a 5.265.

As bolsas da Europa dão sinais de fechamento também no negativo. O dia é de agenda praticamente vazia, as moedas operam perto da estabilidade. O controle para impedir a entrada do coronavírus está no destaque.

ESTADOS UNIDOS: O Dow Jones (futuros) opera em queda de 0,17% aos 28.995 pontos. O S&P (futuros) opera em queda de 0,12% aos 3.321 pontos. O Nasdaq (futuros) opera estável aos 9.404 pontos.

Os futuros das principais bolsas de ações de Nova York operam estáveis. O dia de agenda vazia, o radar permanece na temporada de balanços e também em notícias corporativas, bem como os números do coronavírus. O índice DXY permanece perto da estabilidade.

BRASIL: O Ibovespa opera em queda de 0,29% aos 113.438 pontos. O dólar comercial opera perto em queda de 0,21% aos R$4,311 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo abriu em queda e opera agora perto da estabilidade. Os investidores domésticos devem acompanhar os demais mercados internacionais. A temporada de resultados também deverá ficar no foco. Na agenda econômica, os destaques ficam com o Boletim Focus e a balança comercial semanal, que será importante para mensurar eventuais impactos do coroavírus nas exportações brasileiras. Hoje saem os relatórios de produção da Petrobras e Vale, bem como os resultados financeiros da São Martinho e Itaú, os dois depois do fechamento do mercado.

Commodities

A OPEP sinaliza que a decisão de reduzir a oferta de petróleo para março para equilibrar os mercados.

O petróleo referência Brent opera em queda de 1,43% a US$54,35 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI segue em queda de 0,10% aos US$50,31 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta de 0,17% a US$1.576,10 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,85% aos US$82,88 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?