Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Movimentos das bolsas de ações e moedas

Data de criação:

access_time 04/03/2020 - 11:12

Data de atualização:

access_time 04/03/2020 - 11:12
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quarta-feira (04/03).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 0,24% a 26.222 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,36% a 1.895. O índice Xangai ficou em alta de 0,63% a 3.011. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,18% a 3.025. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,08% aos 21.100. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 1,71% a 6.325. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 2,24% a 2.059. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,55% aos 38.409. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,57% aos 11.392.

Na Ásia, as bolsas de ações fecharam sem direção nesta quarta-feira. Os negociadores acompanharam, em parte, o comportamento de Wall Street e avaliaram a decisão do Federal Reserve em cortar as taxas de juros. Os indicadores da China também ficaram no radar. Enquanto isso, os bancos centrais e os governos da região seguiram adotando medidas emergenciais minimizar os efeitos econômicos do coronavírus. Um exemplo foi o governo da Coreia do Sul que propôs Orçamento suplementar de US$ 10 bilhões para combater o coronavírus. As moedas da região ficaram sob pressão ante o dólar.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em alta de 1,44% aos 386.62 em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em alta de 1,48% aos 6.817; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em alta de 1,32% a 12.143; o CAC 40 (Paris) seguia em alta de 1,34% a 5.466; o FTSE-MIB (Milão) seguia em alta de 1,14% aos 21.996; o Ibex 35 (Madri) seguia em alta de 1,20% a 8.917; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em alta de 1,76% a 4.975.

Na Europa, as bolsas de ações operam com ganhos nesta reta final das negociações. Os investidores estão analisando a decisão do Fed, bem como os indicadores econômicos da região.  O índice dos Gerentes de Compras -PMI – Composto da Zona do Euro subiu de 51,3 em janeiro para 51,6 em fevereiro, atingindo o maior patamar em seis meses, segundo pesquisa da IHS/Markit. As moedas operam lado a lado na força contra o dólar.

ESTADOS UNIDOS: O Dow Jones (futuros) opera em alta de 2,36% aos 26.492 pontos. O S&P (futuros) opera em alta de 2,00% aos 3.057 pontos. O Nasdaq (futuros) opera em alta de 1,96% aos 8.753 pontos.

A bolsa de Nova York deverá seguir a tendência dos futuros, que operam com ganhos nesta quarta-feira. Ontem, depois do anúncio do Fed, o juro pago pela Treasury de 10 anos caiu abaixo de 1% pela primeira vez em 150 anos. O dólar recuou frente às principais moedas depois do inesperado corte de juros promovido pelo Fed. O índice DXY segue em alta de 0,32% a 97,46 pontos nesta manhã. O foco dos investidores nesta quarta-feira deve permanecer nas notícias corporativas. O clima político segue esquentando nos Estados Unidos. A agenda está carregada, com destaque para o relatório ADP.

BRASIL: Ibovespa abriu em alta de 1,26% aos 106.862 pontos. O dólar comercial opera em alta de 0,17% aos R$4,518 para a venda.

A bolsa de valores brasileira abriu em alta e dá sinais de volatilidade, como o mercado externo operando com ganhos. Ontem, acompanhando os demais ao redor do mundo, o Banco Central do Brasil divulgou nota sobre os efeitos do coronavírus. A autoridade monetária destacou que “monitora atentamente os impactos do surto do coronavírus nas condições financeiras e na economia brasileira”. Além disso, avaliou que o impacto da desaceleração global sobre a economia brasileira poderá mais do que compensar os efeitos eventuais da crise sobre os preços dos ativos. O texto reforça aposta em um novo corte na Selic, na reunião do Copom nos dias 17 e 18 próximos. Ainda hoje, o IBGE divulgou o resultado do PIB de 2019.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em alta de 1,83% aos US$52,81 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em alta de 1,95% aos US$48,10 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em queda de 0,32% a US$1.639,70 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 2,76% a US$90,99 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?