Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Movimentos das bolsas de ações e moedas

Data de criação:

access_time 06/12/2019 - 10:46

Data de atualização:

access_time 06/12/2019 - 11:46
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta sexta-feira (06/12/19).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 1,07% a 26.498 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,82% a 1.640. O índice Xangai ficou em alta de 0,43% a 2.912. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,23% aos 23.354. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,65% a 3.194. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,36% a 6.707. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,02% a 2.081. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,82% aos 40.445. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,13% a 11.609.

As bolsas asiáticas subiram nesta sexta-feira, com as expectativas do acordo comercial. Além disso, os dados econômicos do Japão ficaram entre os destaques. O índice regional de ações MSCI Asia Pacific subiu 0,40%, fechando a semana no positivo pela primeira vez em um mês. Os indicadores dos Estados Unidos estavam no radar.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em alta de 0,44% aos 404.43 em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em alta de 0,82% aos 7.196; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em alta de 0,16% a 13.075; o CAC 40 (Paris) seguia em alta de 0,40% a 5.824; o FTSE-MIB (Milão) seguia em alta de 0,10% aos 22.992; o Ibex 35 (Madri) seguia em alta de 0,82% a 9.318; e o PSI-20 (Lisboa) subia 0,45% a 5.151.

Os mercados acionários estão operando no azul. O euro ficou estável nas negociações de ontem com as estimativas dos dados da produção industrial da Alemanha, que em outubro recuou 1,7% ante setembro, vindo muito abaixo da expectativa do mercado (+0,2%). Em dia de indicadores do setor de trabalho dos Estados Unidos, as atenções se voltam também para notícias sobre as relações comerciais. Além disso, os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo – Opep e aliados discutiram ontem mais cortes na produção de petróleo. Hoje é a vez do grupo Opep+ fechar a reunião em Viena, Áustria.

ESTADOS UNIDOS: O Dow Jones (futuros) estava em alta de 0,18% aos 27.729 pontos. O S&P (futuros) estava em alta de 0,18% aos 3.123 pontos. O Nasdaq (futuros) seguia em alta de 0,28% a 8.333 pontos.

Os futuros operam com ganhos, com as expectativas para o Payroll, bem como para as negociações comerciais entre Estados Unidos e China após o presidente Donald Trump afirmar que algo poderá ser feito em relação às tarifas à China programadas para o dia 15 próximo.

BRASIL: O Ibovespa opera em alta de 0,53% aos 111.203 pontos. O dólar comercial segue em queda de 0,22% aos R$4,178 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo dá pistas de mais um recorde nesta sexta-feira, conforme estimativas dos analistas para o fechamento do ano. Os números do IPCA, divulgados nesta manhã pelo IBGE, e os dos Estados Unidos devem fazer preço na bolsa. O dólar comercial, por sua vez, segue em queda.

Commodities

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa moderada, nesta manhã, à espera que a Opep+ ratifique o acordo para ampliar os atuais cortes na produção durante a reunião em Viena. O grupo sinalizou que poderá ampliar os cortes atuais (1,2 milhão de barris dia) em mais 500 mil barris dia até o final de março.

O petróleo referência Brent segue em queda de 0,81% a US$66,98 o barril negociado na bolsa de Futuros de Londres.

O petróleo WTI segue em queda de 1,16% aos US$57,85 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,46% aos US$89,06 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?