Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados acionários da Ásia voltaram para o negativo

Data de criação:

access_time 18/03/2020 - 09:17

Data de atualização:

access_time 18/03/2020 - 09:17
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Ásia voltaram para o campo negativo nesta quarta-feira. Os investidores bem que tentaram acompanhar os ganhos de Wall Street, mas acabaram devolvendo. O cenário é o mesmo, ou seja, o avanço do coronavírus segue mantendo vários setores paralisado, com eventos, viagens, negócios e empresas cancelados. Entretanto, em algumas regiões as empresas já estão retornando, o que contribuiu com a disposição do investidor para as compras e ajustes técnicos.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 4,18% a 22.291 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 1,55% a 1.678. O índice Xangai ficou em queda de 1,83% a 2.728. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 1,18% a 2.425. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 1,68% aos 16.726. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 6,43% a 4.953. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 4,86% a 1.591. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 5,59% os 28.869. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 2,34% aos 9.218. O índice regional MSCI Asia Pacific encerrou o dia com queda de 2,4%.

O presidente do Banco Central do Japão (BoJ), em pronunciamento ao parlamento japonês, defendeu as operações de compra de ações feitas pelo banco, apesar dos prejuízos (estima-se algo entre US$ 18,6 bilhões a US$ 27,9 bilhões) sofridos pela instituição com as quedas recentes das ações. A moeda japonesa mostra ligeira valorização nesta manhã, reflexo do ambiente de maior aversão ao risco.

O investidor asiático acompanhou a proposta da Casa Branca, que poderá chegar a US $ 1 trilhão em gastos para evitar a pressão do fechamento de empresas para conter o vírus. O Federal Reserve anunciou mais medidas para manter os mercados financeiros em operação.

O número de novos casos relatados na China, onde o vírus surgiu em dezembro, está em declínio, mas as infecções nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares estão aumentando. Com isso, os investidores dizem que precisam ver o número de infecções lento antes que os mercados possam encontrar um fundo.

Para a maioria das pessoas, o coronavírus causa apenas sintomas leves ou moderados, como febre e tosse, e aqueles com doença leve se recuperam em cerca de duas semanas. Podem ocorrer doenças graves, incluindo pneumonia, especialmente em idosos e pessoas com problemas de saúde existentes, e a recuperação pode levar seis semanas nesses casos.

Em Tóquio, entre as ações com ganhos ficaram as da Fuji Film Holding, alta de 15,43%; Showa Denko, alta de 11,73%; Tokai Carbon, alta de 11,54%, ANA Holding, alta de 6,82%. Na contramão ficaram as ações da SoftBank, queda de 10,90%, Mitsui Holding, queda de 9,15%; e Toyo Seikan Group, queda de 8,14%.

Em Hong Kong, entre as ações com perdas ficaram as da Hengan International Group, queda de 3,14%; as MTR Corp, queda de 2,14%; as da Industrial & Commercial Bank, queda de 1,95%; as da Suny Optical Tecnology, queda de 11,92%; as da AAC Tecnologies Holdings, queda de 8,66%; e as da Geely Automobile Holding, queda de 8,49%.

Na região, a Austrália e o Japão apresentaram indicadores.

Tradução ID de agências internacionais e relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?