Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos acompanham os demais e despencam com COVID-19

Data de criação:

access_time 06/03/2020 - 09:41

Data de atualização:

access_time 06/03/2020 - 09:41
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As ações asiáticas acompanharam o péssimo desempenho dos mercados acionários globais nas operações de ontem. O temor se deu com o surto do coronavírus, mesmo com a Organização Mundial da Saúde tentando manter a serenidade ao divulgar os números da doença.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 2,32% a 26.147 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,74% a 1.915. O índice Xangai ficou em queda de 1,21% a 3.034. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 1,90% a 2.960. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 2,72% aos 20.749. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 2,81% a 6.216. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 2,16% a 2.040. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 2,32% aos 37.576. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 1,68% aos 11.321.

O dia de ontem foi de pânico em todos os mercados, na verdadeira montanha-russa, em meio às incertezas sobre quanto o surto do novo vírus representará para a economia global.

Na China, onde o surto de vírus está se estabilizando, as ações de Xangai subiram quase 12% desde o último dia 3 de fevereiro. As fábricas estão gradualmente reabrindo e o retorno dá a sensação de que a vida normal está no horizonte. Porém, em outros lugares do mundo, o clima é mais sombrio. Existem cerca de 17 vezes mais infecções novas fora da China do que nela, segundo a OMS.

Em Tóquio, entre as ações com perdas ficaram as da Kobe Steel, queda de 7,28%, as da Rakuten, queda de 5,95%, as do SoftBank, queda de 6,06%, as da Nippon Steel, queda de 7,47%, e as da Nissan, queda de 4,78%.

Em Hong Kong, as ações do Country Gardens recuaram 4,03%, as da Sands China, queda de 3,47%, as da CNOOC, queda de 3,97%, e as da Tencent, queda de 2,56%.

Na Coreia do Sul, as ações da Samsung caíram 2,24%

Em Taiwan, as ações da Foxconn perderam 2,33%.

Na Austrália, as ações da Beach Energy recuaram 2,36%, as da Rio Tinto perderam 2,48% e as da Westpac afundaram 4,04%.

No Japão, os salários médios subiram 1,5% a / a em janeiro, depois de subir 0,2% em dezembro, com os salários reais se tornando positivos, mostraram dados preliminares divulgados sexta-feira pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

O salário médio mensal total foi de Y276.520 em janeiro, pela primeira elevação em dois meses após uma queda de 0,2% em dezembro. Em termos reais, os salários médios aumentaram 0,7% a / a em janeiro, o primeiro aumento em quatro meses e vem após uma queda de 1,1% em dezembro.

No Japão, os gastos domésticos caíram 3,9% em janeiro, queda em quase 4% em relação ao ano anterior. Os dados são do Governo do Japão.

A demanda permanece lenta na terceira maior economia do mundo, mas os números estavam em grande parte alinhados com as expectativas do mercado, e o quarto mês consecutivo de queda desde outubro após o aumento do imposto sobre vendas no país em 1º de outubro.

Na Austrália, a estimativa de tendência para as vendas no varejo aumentou 0,1% em janeiro de 2020. Isso segue um aumento de 0,1% em dezembro de 2019 e um aumento de 0,2% em novembro de 2019.

A estimativa ajustada sazonalmente caiu 0,3% em janeiro de 2020. Isso segue uma queda 0,7% em dezembro de 2019 e um aumento de 1,0% em novembro de 2019.

Em termos de tendência, o volume de negócios na Austrália aumentou 2,3% em janeiro de 2020 em comparação com janeiro de 2019. Os dados são do Governo Australiano.

Tradução ID de agências internacionais e relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?