Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos dão sinais de recuperação e fecham divididos

Data de criação:

access_time 02/03/2020 - 10:10

Data de atualização:

access_time 02/03/2020 - 10:10
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois de uma semana marcada pelo estresse, as bolsas de ações asiáticas recuperaram as perdas nesta segunda-feira. Os índices da China Continental subiram, depois que os dados mostraram progresso na restauração da produção industrial. As paralisações ocorreram com o surto do coronavírus.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em alta de 0,62% a 26.291 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 3,77% a 1.869. O índice Xangai ficou em alta de 3,15% a 2.970. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,11% a 3.007. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,95% aos 21.344. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,77% a 6.391. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,78% a 2.002. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,40% aos 38.144. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 1,08% aos 11.170.

O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, divulgou um comunicado dizendo que a instituição “monitorará de perto os desenvolvimentos futuros e se esforçará para fornecer ampla liquidez e garantir a estabilidade nos mercados financeiros através de operações e ativos de mercado apropriados compras ”.

Na sexta-feira, o BoJ emitiu planos para a compra de ativos para as próximas semanas: o banco central já compra dezenas de bilhões de dólares em títulos do governo e outros ativos a cada ano, como parte de seus esforços agressivos para manter crédito barato e ajudar a evitar a deflação.

O coronavírus, que atingiu a China em dezembro e fechou grandes áreas do país no final de janeiro, ainda segue fazendo vítimas. A China ainda é o país mais atingido e tem a maioria dos 86.000 casos em todo o mundo e mortes relacionadas. Sua disseminação para além da China causou pânico e já aponta para a contração econômica global. Quase 60 nações representando todos os continentes, exceto a Antártica, confirmaram casos.

Em Tóquio, entre as ações com ganhos ficaram as da Mitsui E&S Holdings, alta de 7,36%, as da Z Holdings, alta de 5,34%, as da Advantest Corp, alta de 4,98%. Na contramão ficaram as ações da Taiheiyo Cement, queda de 2,85%, as da Tokio Marine Holdings, queda de 1,93%.

Em Hong Kong, entre as ações com ganhos ficaram as da Shenzhou International Group, alta de 5,12%, as da CNOOC, alta de 4,31%, as da China Shenhua Energy, alta de 3,99%, e as Geely Automobile Holdings, alta de 2,89%. Na contramão ficaram as ações da Sun Hung Kai Properties, queda de 1,62%, as da Power Assets Holdings, queda de 1,35%, e as da Sands China, queda de 0,69%.

Na China, o índice mensal de Gerentes de Compras – PMI, divulgado hoje pelo Caixin, caiu para 40,3 em relação a 51,1 de janeiro em uma escala de 100 pontos, na qual números abaixo de 50 mostram contratações de atividades.

Outro PMI divulgado no sábado pelo Departamento Nacional de Estatística e pela Federação Chinesa de Logística e Compras apresentou contração para 35,7 em relação aos 50 de janeiro.

Apesar da queda, a confiança dos empresários aumentou para cinco anos depois que o Partido Comunista, no poder, lançou esforços para revitalizar a indústria com cortes de impostos e outros auxílios, disse o Caixin.

Tradução ID com relatórios oficiais e agências internacionais como a Associated Press

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?