Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos fecham no azul com dados da China

Data de criação:

access_time 02/12/2019 - 09:52

Data de atualização:

access_time 02/12/2019 - 10:52
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Ásia fecharam com ganhos nesta segunda-feira, com os indicadores da China acima do esperado e deixando no pano de fundo as negociações comerciais com os Estados Unidos.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 0,37% a 26.444 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,22% a 1.596. O índice Xangai composite ficou em alta de 0,02% a 2.872. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,01% aos 23.529. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,19% a 3.187. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,24% a 6.862. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,19% a 2.091. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou estável aos 40.802. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,12% a 11.502.

De acordo novamente com jornais locais deste domingo, a China “insiste” em uma reversão das tarifas dos Estados Unidos como parte do acordo comercial da “Fase 1”. Enquanto isso, o presidente Donald Trump voltou o radar para impor tarifas do aço brasileiro e argentino.

Em Tóquio, as ações do Yahoo Japão subiram 1,59%, as da Toyota subiram 1,31% e as da Sony ganharam 1,36%.

Em Hong Kong, os desenvolvedores Country Garden subiram 2,75%, as da China Overseas Land Investment ganharam 2,67% e as da AAC Technologies recuaram 1,46%.

Na Coreia do Sul, as ações da Samsung recuaram 0,20%.

Na Austrália, as ações da Westpac subiram 0,33% e as da Rio Tinto avançaram 0,64%.

Na China, a pesquisa sobre a atividade manufatureira expandiu mais do que o esperado em novembro, quando o PMI – Índice de Gerentes de Compras – da Caixin / Markit chegou a 51,8. As leituras do PMI acima de 50 indicam expansão, enquanto aquelas abaixo desse nível sinalizam contração. O PMI oficial da China era de 50,2 em novembro, ante 49,3 em outubro, atingindo seu nível mais alto desde março, informou o Departamento Nacional de Estatísticas da China.

No Japão, as informações do Jibun Bank Japan para o índice PMI de Manufatura ficou abaixo da marca de 50 em novembro pelo sétimo mês consecutivo, registrando 48,9 (48,4; outubro), para sinalizar a continuação da desaceleração do setor manufatureiro do Japão. O declínio econômico era aparente nas subcategorias investimento e bens intermediários, enquanto fabricantes de bens de consumo observaram uma melhora marginal outubro.

Os dados mais recentes da pesquisa apontaram para menores volumes de saída no setor manufatureiro japonês. Embora a diminuição tenha sido mais suave em relação a outubro, era amplamente igual à média observada em o atual período de contração de 11 meses. A demanda fraca foi o fator chave para reduzir os cortes na produção.

Na Austrália, as aprovações para construir foram mais fracas do que o esperado em outubro, registrando uma retração de 8,1% em relação ao ganho de 7,2% de setembro. O consenso procurava uma queda mais suave de 1%. A queda leva o total de aprovações mensais de volta ao ponto mais baixo do ciclo de julho, uma queda de 23,6% ao ano. Os detalhes foram particularmente decepcionantes e a fraqueza se espalhou de maneira mais uniforme em todos os tipos de moradia.

Tradução ID com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?