Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos ficam divididos ainda com feriado de Natal

Data de criação:

access_time 26/12/2019 - 09:52

Data de atualização:

access_time 26/12/2019 - 10:52
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas asiáticas ficaram divididas nesta quinta-feira, com parte dos mercados fechados com o feriado de Natal. Além disso, nos que operaram predominou o acordo “Fase 1” entre os Estados Unidos e a China. O índice MSCI Asia Pacific fechou com valorização discreta de 0,2%.

Na Ásia, ao final, o índice Xangai ficou em alta de 0,85% a 3.007. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,60% aos 23.924. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou estável a 3.222. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,36% a 2.197. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,72% aos 41.163. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,06% a 12.001.

Os mercados mundiais se recuperaram nesta quinta-feira, com o presidente Donald Trump afirmando que o acordo comercial com a China estava pronto para ser assinado. As autoridades chinesas confirmaram que os dois lados estão em estreito contato com o chamado acordo de “Fase 1” para ajudar a aliviar o atrito com as ambições tecnológicas de Pequim e outras questões comerciais.

No início desta semana, a China anunciou que estava cortando tarifas de 850 tipos de produtos como parte de seus esforços para melhorar a qualidade do comércio e para atender à demanda por itens escassos, como carne de porco, que teve a produção reduzida com o surto de peste suína africana. Porém, até agora os detalhes da China-Estados Unidos não foram divulgados deixando em questão o escopo do negócio e sua capacidade de resolver conflitos profundos e antigos sobre a política industrial e as práticas comerciais da China.

No Japão, os pedidos de construção de casas declinaram de dois dígitos em novembro, mostraram dados do Ministério da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo.

O início de novas habitações caiu 12,7% anualmente, depois de uma queda de 7,4% em outubro. Esta foi a quinta redução consecutiva no início da habitação. O início anual de moradias diminuiu para 834 mil em novembro, ante 879 mil de outubro. O nível esperado era de 882 mil.

Os dados também mostraram que os pedidos para novas construções recebidos por grandes 50 empreiteiros caíram 1,2% no ano em novembro, em contraste com um aumento de 6,4% em outubro.

Tradução ID com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?