Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos ficam sem direção com China e EUA

Data de criação:

access_time 07/05/2020 - 09:49

Data de atualização:

access_time 07/05/2020 - 09:49
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas da Ásia fecharam sem direção nesta quinta-feira. Os investidores olharam para os dados econômicos dos Estados Unidos, com os índices de Wall Street fechando em queda. A tensão entre a China e os Estados Unidos permaneceu entre os destaques.

Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 0,65% a 23.980. O índice Xangai ficou em queda de 0,23% a 2.871. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,12% a 1.788. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,28% aos 19.674. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,75% a 2.591. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,38% a 5.364.  O índice Kospi, Seul, ficou estável a 1.928. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,76% os 31.443. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,63% aos 10.842.

Para pesar ainda mais no humor do investidor, Pequim respondeu as acusações feitas por Washington de que o vírus teria saído de um laboratório de Wuhan. Entretanto, na próxima semana, representantes dos governos americano e chinês irão se encontrar para discutir o comércio bilateral ajudando a diminuir as tensões.

“As ações asiáticas ficaram devagar, seguindo os números sombrios da COVID-19, dados ruins da folha de pagamento dos EUA, a dura conversa de Trump sobre a China e o Japão retornando das férias da Semana Dourada. As mortes nos EUA e no mundo subiram para os níveis mais altos desde 21 de abril ”, disse o analista da OANDA, Edward Moya, em Nova York.

Trump disse que em breve avaliará o progresso do acordo comercial preliminar com a China, que entrou em vigor em janeiro, estendendo uma trégua na guerra de tarifas entre as duas maiores economias do mundo que quase completou dois anos.

As preocupações de que possíveis recaídas no distanciamento social possam desencadear um novo surto de infecções no Japão, onde muitos se abstiveram de viajar e ruas ficaram vazias durante as férias da Semana Dourada, também estão despertando a cautela.

Na China, o índice Caixin do PMI de Serviços em 44,4, abaixo do esperado (50,1), mas ainda acima do mês anterior (43,0).

Já a balança comercial chinesa teve superávit de US$ 45 bi, acima do esperado (US$ 8 bi), devido à uma inesperada alta de exportações (3,5% A/A) e recuo mais forte que o esperado nas importações (-14,2% A/A contra mediana de projeções de -10,0% A/A).

Tradução ID de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?