Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos recuam com coronavírus e tensão pela morte do médico

Data de criação:

access_time 07/02/2020 - 09:58

Data de atualização:

access_time 07/02/2020 - 09:58
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados asiáticos devolveram os ganhos nesta sexta-feira. O otimismo de ontem desapareceu com o avanço do coronavírus, apesar dos esforços de cientistas do mundo inteiro tentando encontrar remédios e vacinas. De outro lado, a China enfrenta mais um grande problema com a morte do médico Li Wenliang: a revolta popular.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,33% a 27.404 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,52% a 1.736. O índice Xangai ficou em alta de 0,33% a 2.875. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 1,55% a 3.181. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,19% aos 23.827. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,38% a 7.022. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,72% a 2.211. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,40% aos 41.141. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 1,16% aos 11.612.

As autoridades chinesas disseram que os dados de importação e exportação esperados para esta sexta-feira foram adiados e os números de janeiro e fevereiro combinados. A Administração Geral das Alfândegas disse que isso era porque queriam alinhar os dados com os do Departamento Nacional de Estatística, que também planejava combinar outros para resolver quaisquer interrupções do feriado do Ano Novo Lunar.

Ontem, ainda sob os efeitos da decisão da China em reduzir pela metade as tarifas de US $ 75 bilhões em mercadorias dos Estados Unidos, os negociadores partiram para as compras.

O bom humor desapareceu nesta sexta-feira, com os investidores atentos ao crescente surto de coronavírus que já infectou mais de 31 mil pessoas e matou pelo menos 636.

Na China, uma questão de saúde pública poderá se transformar numa grande questão política, depois da morte do médico Li Wenliang, que tentou alertar as autoridades chinesas sobre o surgimento do coronavírus. Na noite de quinta-feira (horário local de Pequim), Wenliang morreu infectado depois de ser repreendido por autoridades de Wuhan. Com isso, a revolta tomou conta dos chineses e demais pessoas ao redor do mundo.

Hoje, o presidente da China Xi Jinping falou com o colega dos Estados Unidos, Donald Trump e garantiu que o vírus será combatido.

O Japão contabilizou 61 novas infecções por coronavírus em um navio de cruzeiro com mais de 3 mil pessoas em quarentena. Nesta quinta-feira, dois aviões do governo retiraram centenas de japoneses da região infectada da China.

Entre as ações com ganhos em Tóquio ficaram as da Olympus Corp., alta de 9,90%, as do SoftBank Group, alta de 7,13%, as da Credit Saison Co., alta de 3,17%, e as da Toyobo Co., alta de 2,07%. Na contramão ficaram as ações da Asahi Kasei Corp., queda de 7,64%, as da Marui Group Co., queda de 5,24%, e as da Terumo Corp., queda de 3,64%.

Entre as ações com ganhos em Hong Kong ficaram as da WH Group, alta de 1,64%, China Unicom, alta de 1,47%, e as da Hang Seng Bank, alta de 1,18%. Na contramão ficaram as ações da Sunny Optical Technology, queda de 3,59%, as da Cnooc, queda de 2,70%, e as da China Resources Land, queda de 1,99%.

Na Austrália, as ações da Beach Energy caíram 4,03% e as da BHP ficaram em queda de 1,95%.

Tradução ID de agências e relatórios internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?