Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados asiáticos recuam com parte em feriado

Data de criação:

access_time 13/04/2020 - 09:23

Data de atualização:

access_time 13/04/2020 - 09:23
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores asiáticas recuaram nesta segunda-feira. Nem mesmo a volta para o positivo dos preços do petróleo conseguiram animar os investidores, sendo que alguns mercados não abriram ainda com o feriado de Páscoa.

Ao final, o índice Xangai ficou em queda de 2,33% a 2.825. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,49% a 2.783. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 2,33% aos 19.043 O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 1,88% a 1.825. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 1,51% os 30.690. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,57% aos 10.099.  Os mercados de Hong Kong, Sydney e alguns outros regionais ficaram fechados para o feriado da Páscoa.

A notícia vem com os preços do petróleo, que subiram mais de US $ 1 por barril, depois que a Opep e outros países produtores de petróleo concordaram em cortar a produção para refletir sobre o colapso da demanda devido à pandemia.

Poucas horas antes da reabertura dos mercados, a Opep, a Rússia e outros produtores de petróleo finalizaram o acordo para o corte sem precedentes na produção de quase 10 milhões de barris, ou um décimo da oferta global, buscando a recuperação dos preços e fechando assim uma guerra comercial, que junto com a pandemia também assustou o mundo.

O cartel e os aliados concordaram, em uma videoconferência no final deste domingo, em cortar 9,7 milhões de barris por dia a partir de 01 de maio. No contraponto estavam o México, contra o corte, e o ministro do petróleo do Irã também afirmando que vários países do Oriente Médio concordavam com um corte adicional de apenas 2 milhões de bpd.

Por outro lado, os analistas disseram que os cortes não foram suficientes para compensar o vazio na demanda devido às paralisações dos negócios e viagens com a pandemia de coronavírus no mundo. Mas o acordo, pelo menos neste momento, ajudou a resolver uma guerra de preços que levou o petróleo dos Estados Unidos para quase US $ 20 por barril, batendo forte nos produtores de petróleo e gás. Os de xisto entraram em pânico.

Hoje, a China começou, cautelosamente, a reabrir as atividades em regiões como Wuhan, província de Hubei, que estavam em lockdown durante o pior de seu surto da história.

No entanto, na Ásia, alguns governos estão agora restringindo as restrições para tentar conter o aumento no número de infecções por coronavírus recém-confirmadas. Isso é particularmente verdadeiro no Japão, onde o primeiro-ministro Shinzo Abe está enfrentando duras críticas de parte da população. Os japoneses afirmam que o governo fez muito pouco e tarde demais para evitar um grande surto.

Na Coreia do Sul, os efeitos da pandemia estão sendo sentidos no setor automotivo. A Kia Motors, por exemplo, afirmou que poderá interromper a produção por conta das fracas vendas.

Já para a semana, os investidores deverão manter as atenções na temporada de balanços corporativos do primeiro trimestre de 2020, isso com os sinais do início do estrago econômico provocado pela pandemia de coronavírus.

Na agenda da semana, a grande expectativa fica com o Produto Interno Bruto – PIB da China, que será apresentado na sexta-feira (17).

A agenda está vazia.

Tradução ID de agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?