Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Mercados da Ásia começam o mês no azul

Data de criação:

access_time 01/02/2021 - 10:11

Data de atualização:

access_time 01/02/2021 - 10:15
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de ações da Ásia começaram fevereiro em alta. Nesta segunda-feira (01/02), os investidores atentos ao processo de vacinação e também nos indicadores econômicos da China.

Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 2,15% aos 28.892 pontos. O índice Xangai, China, ficou em alta de 0,64% aos 3.505. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,17% a 2.362 e o ChiNext (ETF) ficou em alta de 1,13%. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,55% aos 28.091. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,21% aos 2.896. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 5,00% aos 48.600. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,84% aos 6.663. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 2,70% a 3.056 pontos. O índice Taiex, bolsa de Seul, ficou em queda de 1,80% aos 15.410 pontos.

Na região, os setores de comunicação e tecnologia foram os destaques, com atenção também para o índice PMI industrial da China para janeiro.

Sobe o processo de vacinação, a China administrou mais de 24 milhões de doses da vacina contra COVID-19, disse o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças no domingo, escreveu a agência Xinhua.

No Japão, a índice do Jibun Bank para o setor de Manufatura caiu de 50,0 em dezembro para 49,8 em janeiro, sinalizando nova contração do setor. Dito isto, o ritmo geral de contração foi apenas fracionário, refletindo um melhorando a tendência em novos negócios.

Na China, as condições de negócios enfrentadas pelos fabricantes melhoraram pela taxa mais lenta em sete meses neste início de 2021, de acordo com os dados mais recentes do PMI – Caixin. As empresas sinalizaram aumentos mais suaves na produção e novos pedidos, juntamente com um declínio renovado em exportação, com a pandemia COVID-19 ponderada. Ao mesmo tempo, a escassez de estoque e atrasos no envio levaram a uma deterioração ainda mais acentuada no desempenho do fornecedor e adicionaram uma pressão ainda maior sobre os custos. Consequentemente, as empresas aumentaram seus preços de venda pela taxa mais alta desde meados de 2018.

O índice de Gerentes de Compras – PMI, ajustado sazonalmente, caiu de 53,0 em dezembro para 51,5 em janeiro. Isso sinalizou uma melhora modesta na saúde do setor, a mais fraca desde junho passado. A leitura também marcou uma nova perda de ímpeto a partir de novembro, quando o índice principal atingiu uma alta de uma década.
*Tradução ID com casas de análises

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?